Pular para o conteúdo principal

O maníaco de Barão



     
     Ele agia não propriamente no distrito de Barão Geraldo, mas no bairro daquele distrito chamado Cidade Universitária e o seu “modus operandi” era sempre o mesmo: abordava casais que estavam dentro de carros, geralmente defronte a casa da moça, como se estivessem despedindo, dominava-os ameaçando com uma arma de fogo, espoliava-os de seus bens e, para concluir, estuprava a moça[1] geralmente num canavial das proximidades daquele bairro.
            A imprensa, sempre ávida para colocar epítetos nos autores desses crimes[2], logo alcunhou-o de “o maníaco de Barão”. Certa ocasião fui procurado por uma amiga que me pediu para atender o filho de uma médica famosa, moradora na Cidade Universitária, pois ele era apontado como sendo o “maníaco de Barão”. Atendi-o e constatei que o que se dizia contra ele não passava de boato e o que é pior: veiculado em salão de beleza; nada havia de concreto.
            Todavia, mal imaginava que um dia iria, substituindo um colega, atuar um processo da 3ª Vara Criminal em que o acusado era exatamente o (verdadeiro) “maníaco de Barão”. Atuação efêmera, porém suficiente para ler no processo que o verdadeiro maníaco era casado, com a profissão de vigilante, tinha filhos, em sua casa foram encontrados e apreendidos diversos bens das vítimas (celulares, carteiras), incriminando-o. Ele tinha sido submetido a exame de sanidade mental e os peritos médicos que o examinaram concluíram no laudo que se tratava de semi-imputável (artigo 26, § único, do Código Penal).
            Infelizmente, a minha permanência em substituição ao não foi suficiente para ver o resultado do processo. Desconheço, assim, qual o desfecho: se o juiz acatou o laudo médico, impondo-lhe uma pena diminuída ou substituiu-a por medida de segurança.
(Capítulo do livro "Casos de júri e outros casos", volume 2, a ser publicado.)


[1]. Naquela época, somente a mulher podia ser vítima do crime de estupro, conforme a dicção do artigo 213 do Código Penal, em que o conteúdo era “conjunção carnal”, ato libidinoso, segundo definição doutrinária, que somente podia acontecer entre um homem e uma mulher; qualquer outro ato libidinoso constituía o crime de atentado violento ao pudor, artigo 214 do Código Penal. A lei 12.015, de 7 de agosto de 2009, porém, unificou os dois artigos no 213.
[2]. Essa avidez é antiga e hoje está um pouco em desuso. Quando eu cursava a Faculdade de Direito, e era escrevente do 3º Ofício Criminal, esse hábito era maior: lembro dos apelidos “Cara de cavalo”, “Bertão”, “Elói japonês”, entre outros, que aterrorizavam Campinas. Antes mesmo de que a minha família viesse de mudança para Campinas, o que se deu no início do ano de 1964, vínhamos sempre passar férias aqui e lembro de ler nos jornais daquela época outros apelidos: “Corvão”, “Bandido mascarado”. Quanto a este, ver o capítulo “Filho contra pai”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O STF e a descriminalização do aborto

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …