Pular para o conteúdo principal

A comemoração pela prisão de Sergio Cabral



            O Rio de Janeiro não é somente um estado brasileiro, é mais: é outro país dentro do Brasil. Várias razões indicam isso e uma delas é que todo e qualquer acontecimento é motivo para festejo. O carnaval é apontado, e com razão, o maior do mundo, dado o luxo e a originalidade, sem contar a beleza das fantasias e das alas, incluindo-se nessa beleza os sambas compostos exclusivamente para ilustrar o enredo. Outro indicador é a intensa e constante luta entre a polícia e tráfico, comparável, em número de combates e em número de mortes somente àquelas que aconteceram em países que têm – ou tinham – guerrilhas, como Colômbia, com as FARC.
            Sergio Cabral Filho – sim, filho, pois seu pai, Sergio Cabral, foi um compositor, produtor musical, jornalista. Entre os seus (bem) feitos está no fato de ter sido um dos fundadores do Pasquim, um jornal que tive a honra de ler, o que me divertiu muito: era uma publicação que contestava a ditadura. Por conta disso, ele esteve preso por algum tempo (naquela época, quem ousasse se opor à ditadura era preso – quando não ocorria coisa pior, como a tortura e o desparecimento. Era também compositor (seu parceiro era Rildo Hora): Janelas Azuis, Visgo de Jaca, Velha Guarda da Portela, Meninos da Mangueira, algumas gravadas por cantores famosos, como Maria Creuza. Enfim, uma vida, conforme a sua biografia revela, voltada (não me atrai esta expressão) ao bem.  Talvez a única obra voltada para o mal tenha sido ser pai do ex-governador do Rio.
            Voltando ao tema, tudo é motivo para festejo para os cariocas. Mas a reação deles à prisão de Sergio Cabral Filho foi algo que não ocorria há muito tempo no Brasil. Sim, porque já houve comemoração pela saída de um político: a morte de Getúlio Vargas. Há diferenças entre, digamos, as saídas: o ex-governador do Rio foi afastado da vida social depois de deixar o cargo (ele renunciou, não nos esqueçamos), enquanto o então presidente deixou a vida pública em pleno exercício do mandato, matando-se.
            Getúlio foi presidente do país por duas vezes e segundo se dizia foi um feroz ditador. Diz-se que o período da ditadura militar (1964) foi branda se comparada com a de Getúlio. O chefe da sua polícia política, Filinto Muller, mereceu um artigo na revista (na época, a maior revista semanal de informações do Brasil) “O Cruzeiro”, escrito por David Nasser, chamado “Falta alguém em Nuremberg”. Uma das torturas que a polícia de Filinto praticava era enfiar alfinetes sob as unhas dos prisioneiros.
            Getúlio Vargas matou-se com um tiro no peito no Palácio do Catete (há ainda hoje quem conteste a versão do seu suicídio) no dia 24 de agosto de 1954. Eu morava em Jaú e no dia seguinte, 25 de agosto, acordei bem cedo, madrugada mesmo, com o barulho de rojões: corri para a janela e pelos espaços da veneziana olhei e vi um jipe sem capota: no banco do passageiro um homem soltava rojões. Perguntei ao meu pai o que tinha acontecido e ele respondeu: “Getúlio se matou”.
            Sergio Cabral Filho foi uma pessoa, por assim, dizer, de duas faces; uma, em que pregava a ética e o trabalho, e a outra em que cobrava “mesada” por obras contratadas pelo seu governo. Essa face, digamos, oculta, começou a ser conhecida quando fotos e vídeos de suas andanças pela Europa foram expostos na internet, algumas constrangedoras, como aquela em que ele está num restaurante chique com o seu estado-maior com bandanas na cabeça feitas com o guardanapo: extremo mau gosto. Além do mau gosto, não há registro na política brasileira de um governador de um dos maiores e mais importantes do país tenha agido com tanto escárnio. As investigações da Lava-Jato estão mostrando todas as malfeitorias do dois mandatos desse Cabral.
            Pois é: a alegria pelo "desaparecimento" de uma uma figura política já tinha sido vista há 62 anos.


Música composta por Sergio Cabral (pai): https://www.youtube.com/watch?v=D4KHg_VFmT8

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O STF e a descriminalização do aborto

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …