Pular para o conteúdo principal

A legítima defesa de terceiro e a briga do travesti



 
                Um dos temas mais importantes no estudo do Direito Penal é a legítima defesa. Trata-se de uma causa de exclusão da ilicitude (ou antijuridicidade) do fato, tornando-o lícito. Se alguém mata outrem comete em tese o crime de homicídio descrito no artigo 121 do Código Penal. Porém, se o fez em situação de legítima defesa, o seu ato não é considerado homicídio. Para que se reconheça a existência dessa causa de exclusão da ilicitude, todavia, é necessário que estejam preenchidos alguns requisitos e estes estão descritos no artigo 25 do Código Penal. Diz tal artigo “entende-se em legítima defesa quem, usando moderadamente dos meios necessários, repele injusta agressão, atual ou iminente, a direito seu ou de outrem”. Como se percebe, é necessário que exista uma agressão (um ataque) atual (que está acontecendo) ou iminente (prestes a ocorrer) ao direito do que se defende e que sejam os meios necessários à defesa utilizados de forma moderada (no texto penal há um advérbio: moderadamente).
                 Como exemplos recentes de aparente legítima defesa podem ser citados dois: o do cunhado da multimídia Ana Hickmann[1] e do policial que dirigia um carro a serviço da Uber.  No segundo exemplo, o homicida reagiu a um “assalto”, matando os “assaltantes”: tratar-se-ia de legítima defesa própria - a favor de si próprio. No primeiro, o cunhado de Ana agiu em defesa dela, ou seja, em defesa de terceiro e este é um dos temas mais interessantes no assunto “legítima defesa”, denominado “legítima defesa de terceiro”. Pode-se agir em defesa de pessoa que esteja sendo agredida, mas, ainda assim e talvez com mais cuidado, devem ser obedecidos rigorosamente todos os requisitos da excludente da ilicitude. Ao contrário do que muitos pensam, ninguém é obrigado a expor a sua integridade corporal, quiçá a própria vida, para socorrer terceiro. Aliás, a lei penal não obriga ninguém a defender-se, mas se quiser, pode, desde que sejam respeitados os limites.
                Há tempos, vi-me na situação de poder intervir em benefício de terceiro pessoa que estava sendo agredida por outra, com a aparente violação de sua integridade física. Era a manhã de um sábado, por volta de 7 horas, e eu me dirigia ao meu escritório. Fui pela rua Coronel Quirino até o final (na verdade, início) e, quando entrei na alça de acesso da avenida Aquidabã, enxerguei um homem e uma mulher brigando no canteiro central e nenhum dos dois aparentemente levava vantagem. Parei o carro e percebi que já havia alguns carros parados ali, simplesmente observando a contenda. Revoltado com a inércia das pessoas, desci do carro (sempre pensando na famosa “chave de roda” para usar como arma), saindo em defesa daquela dama. Tão logo desci, gritei para que parassem senão eu chamaria a polícia. Nesse momento, a dama olhou para mim e disse com aquela voz anasalada, parecida com a do Pato Donald:
                - Me ajuda que ele está me machucando.
                Não era uma dama e sim um travesti (tinha esquecido que ali era um tradicional reduto desses  profissionais do sexo). Lembrei  da famosa música de Chico Buarque “Geni e o zepelim”, na passagem em que a letra fala na “formosa dama” e a que brigava nem formosa era.  Geni também não era uma dama... Se era formosa, pela letra da música não se sabe. Aliás, muitas vezes a beleza está nos olhos de quem olha...
                Desisti: afinal, ninguém é obrigado a sair em defesa de outrem (legítima defesa de terceiro) e aquilo parecia mais uma rusga entre “marido e mulher”, ou, na pior das hipóteses, um “acerto de contas” entre freguês e usuário (consumidor?) de que resultariam apenas arranhões e puxões de cabelo...


[1] . Este fato abordei em outra postagem: “O cunhado de Ana Hickman e o excesso na legítima defesa.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …