Pular para o conteúdo principal

A legítima defesa e o esquartejamento



 
            Caiu como um petardo na mídia: a tese do advogado de Elize Matsunaga em plenário será a da legítima defesa. O fato é de conhecimento notório: apontada como uma ex-garota de programa, ela era casada com Marcos Kitano Matsunaga, tendo-o matado e depois desmembrado o corpo, jogando fora os despojos. A acusação que pesa contra ela tem três frentes: homicídio triplamente qualificado, destruição e ocultação de cadáver. São crimes autônomos, cada um fruto de uma vontade livre e consciente, cada qual praticado como unidade autônoma. Tão logo a notícia foi postada nas “redes sociais”, começaram as manifestações de ignorância, fazendo-me lembrar as palavras de Umberto Eco: “a internet deu voz aos imbecis”.
      Como tenho escrito incontáveis vezes neste espaço, a legítima defesa é uma causa de exclusão da ilicitude (por alguns autores chamada de “antijuridicidade”), em que, se o fato praticado tiver respeitado os requisitos constantes do artigo 25 do Código Penal, ele não considerado delituoso. Essa causa de afastamento da ilicitude pode, a princípio, ser aplicada a qualquer delito, mas na prática é praticamente impossível porque dificilmente – “impossivelmente”, na verdade – nesses crimes faltaria um requisito da legítima defesa, o da agressão injusta. Por exemplo, não se pode alegar legítima defesa num crime de roubo (este crime tem a seguinte definição: “subtrair, para si ou para outrem, mediante o emprego de violência ou grave ameaça, coisa alheia móvel”, conforme o artigo 157 do Código Penal): o ladrão estaria se defendendo de qual agressão? Porém, poderia ocorrer outra causa de exclusão da ilicitude, o estado de necessidade.
      Nos crimes de destruição e ocultação de cadáver é óbvio – ululante, como dizia Nelson Rodrigues – que não cabe a alegação de legítima defesa por faltar em ambos um dos requisitos essenciais ao seu reconhecimento, a agressão injusta: como poderia um cadáver agredir (nem injusta, nem injustamente) alguém? Quanto a essas duas acusações, é incabível a alegação dessa excludente: o principal componente dos crimes em questão é a morte da “vítima”
      Porém, quanto ao crime principal, o homicídio, e que foi a causa da prática dos outros, é perfeitamente cabível a alegação dessa excludente da ilicitude e, ademais, o seu reconhecimento pelos sete jurados (não precisa ser por todos: basta a maioria de votos). No meu livro “Casos de júri e outros casos” relato alguns casos em que atuei na defesa do acusado e os jurados, por maioria, reconheceram a legítima defesa, absolvendo o acusado. Aliás, no crime de homicídio, seja ele simples, privilegiado ou qualificado, tentado ou consumado, é que mais ocorre essa exclusão da ilicitude.
      No caso de Elize, ainda que os jurados reconheçam que ela agiu para se defender de uma agressão injusta e atua, usando moderadamente os meios necessário, e a absolverem, essa decisão não afastará a ilicitude dos delitos que sucederam o homicídio, os praticado contra o cadáver, que terão votação em separado feita pelos jurados.
      Também é evidente que poderão os senhores jurados rechaçarem a tese de legítima defesa quanto ao crime de homicídio tendo em conta as provas que serão apresentadas. Mas dizer que é um absurdo essa alegação é desconhecer não só o Direito, mas os fatos postos sob julgamento.
            Segue abaixo um dos capítulos do livro:


A vítima sem um braço

            Edna, quando foi julgada pelo Tribunal do Júri de Campinas, na segunda metade da década de 80, estava com AIDS: foi a primeira pessoa que eu defendi contaminada com essa terrível moléstia (nos anos 2000 defendi outras; apenas em 2002 foram três pessoas). E, naquela época, era tremendamente letal. Mas ela havia sobrevivido à doença e era acusada de haver matado uma mulher que tinha uma vasta folha de antecedentes, recheada de crimes contra o patrimônio; não faltavam crimes contra a pessoa, na modalidade lesão corporal dolosa. Detalhe: a vítima não tinha um braço.
            Edna nunca negou haver matado a vítima (portanto, em termos de autoria, não havia discussão); afirmava, porém, tê-lo feito para defender-se de injusta agressão perpetrada por aquela. Encerrada a instrução, ela foi pronunciada.
            No dia do julgamento, a tese da defesa obviamente seria a da legítima defesa própria. Porém, o Ministério Público discordou, dizendo que houvera excesso[1] na legítima defesa. Falou durante as duas horas regulamentares (era característica desse Promotor de Justiça, que era extremamente leal e respeitoso). Na minha fala regulamentar, não utilizei todo o tempo dado à defesa, que é igual ao tempo dado à acusação (creio nunca ter, nos inúmeros júris em que atuei, utilizado as duas horas). Mas destaquei aos jurados um detalhe: a vasta folha corrida da vítima; estiquei-a no chão do plenário, para bem impressionar os jurados: era enorme. E, completei: ela fez tudo isso com um braço só; imaginem se ela tivesse os dois.
            O Promotor pediu a réplica, em que se pode falar mais trinta minutos. É hábito no Tribunal do Júri o Juiz de Direito presidente acionar a campainha para lembrar o profissional que esteja falando, seja a acusação, seja a defesa, quando faltam dez minutos; depois novamente quando faltam cinco; e finalmente, quando se esgotou o tempo. E o Juiz fez isso. Após o último aviso, o de que tempo se esgotara, o Promotor continuou falando e excedeu-se em cinco minutos. Ao me ser dada a palavra, iniciei a minha fala chamando a atenção dos jurados para o fato de que o Promotor, num ambiente tranqüilo e seguro como aquele, havia deliberadamente cometido um excesso: como ele poderia pretender que os jurados reconhecessem excesso na conduta da acusada – e a condenassem – durante uma briga ocorrida à noite, num bairro afastado, contra uma pessoa perigosa? Havia uma incongruência no pedido. O Promotor apenas sorriu. E logo encerrei.
      Levados à sala secreta, os jurados absolveram Edna, reconhecendo que ela não agira com excesso ao defender-se de injusta agressão, atual, a direito seu, no caso, o direito à vida.
            Excesso, no caso, houve apenas o do Promotor de Justiça: excedeu-se no tempo que a lei determina para que a acusação seja feita.

     
     


[1] . O excesso pode ser classificado como doloso ou culposo; se for doloso, a pessoa, caso seja condenada, será tida como se tivesse praticado um homicídio doloso; se for culposo o excesso, o homicídio será culposo. As penas são grandiosamente diversas; homicídio doloso: de 6 a 20 anos de reclusão; homicídio culposo: de 1 a 3 anos de detenção.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …