Pular para o conteúdo principal

O estupro da vendedora de café


 
         
   Naquela época, segunda metade dos anos oitenta, tentou-se implantar em Campinas uma prática comercial que havia em São Paulo: moças percorrendo escritórios localizados em prédios comerciais portando uma garrafa térmica de café (e, no inverno, também de chocolate) e vendendo doses em copinhos de plástico, tudo carregado numa bandeja pendurada no pescoço. A idéia não frutificou.
            Uma dessas vendedoras compareceu ao plantão da PAJ relatando a seguinte história: num anoitecer, naquele horário do lusco-fusco, ela dirigia-se a pé para sua casa e ao atravessar um local ermo foi atacado por um homem que, depois de dominá-la com o emprego de violência, estuprou-a. Para agravar a situação, ela engravidou.
            Constatada a gravidez, ela procurou auxílio para interrompê-la, já que a lei penal permite o aborto quando a gravidez resulta de estupro. Atendi-a e iniciei uma autêntica peregrinação. Elaborei um ofício em papel timbrado da Procuradoria Geral do Estado (órgão a que pertencia a PAJ) encaminhando-a ao INAMPS e pedindo que fosse a estuprada submetida a medidas médicas para interromper a gravidez. A resposta foi negativa. Voltou a me procurar e elaborei outro ofício, desta vez destinado à Maternidade de Campinas e a resposta foi novamente negativa. Quase desistindo, enviei ofício ao Departamento de Toco-ginecologia da Faculdade de Medicina da Unicamp e a resposta foi quase positiva: a interrupção das gravidez seria realizada desde que houvesse autorização judicial.
            Nessa época, a doutrina penal não era tão firme como hoje: atualmente, em qualquer manual de Direito Penal está escrito que não há necessidade de autorização judicial, nem de instauração de processo penal, nem mesmo de inquérito policial, para que o aborto – dito sentimental – seja realizado. Iria requerer a medida judicial quando me ocorreu a idéia de requerer a instauração de inquérito policial contra “autor desconhecido”. Pedi ao Delegado de Polícia da circunscrição que apressasse o andamento, pois senão o bebê nasceria antes que o inquérito estivesse terminado.
            Encerrado o inquérito em tempo recorde e enviado a juízo, foi distribuído à 4ª Vara Criminal, e então foi feito o pedido: embora o Promotor de Justiça que atuava perante aquela vara houvesse discordado, o pedido foi deferido e pode a vendedora ambulante de café interromper a gravidez.
            Em tempos atuais, essa “via crucis” não precisaria ser percorrida. 

(Capítulo do livro "Casos de júri e outros casos", Editora Millennium.)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O cunhado de Ana Hickmann e o excesso na legítima defesa

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …