Pular para o conteúdo principal

O pelourinho e o Facebook


             
           
Não se trata, como pode à primeira vista parecer, daquele famoso ponto turístico de Salvador, mas sim daquela coluna de madeira, colocada em praça ou lugar central e público, onde eram exibidos e castigados os criminosos. Era a época plena das penas corporais, das quais a mais usada no pelourinho eram as chibatadas. Segundo Alexandre Herculano (autor do livro “O monge de cister” e, a meu ver, do melhor: “Eurico, o presbítero”), o termo pelourinho começou a ser utilizado no século XVII (conforme Wikipedia). O castigo era púbico, o mais público possível: o condenado – portanto contra quem pesava uma condenação – era exposto enquanto a sentença que impunha a pena (ou castigo) era executada. Há referencias de que o pelourinho era usado para outros tipos de castigo ainda que não impostos como sentença.
            Alguns séculos depois surgiu um substituto do pelourinho e com grande poder de divulgação, embora não exponha pessoas que foram condenadas criminalmente, ou seja e por assim dizer, “bandidos”: o Facebook. Quando esta “rede social” foi criada por Mark Zuckerberg, Dustin Moskovitz, Chris Hughes e o brasileiro Eduardo Saverin, todos alunos da prestigiada Harvard e colegas de quarto, no dia 4 de fevereiro de 2014, inicialmente com o nome de ˜TheFacebook, a ideia era que essa rede funcionasse apenas entre os alunos daquela universidade, como uma forma de comunicação. Porém, ela extravasou esses limites e tornou-se a força que é de todos conhecida. Sobre a criação h[a um filme muito bom: “A rede social”.
            Umberto Eco disse em entrevista quando do lançamento de seu último livro chamado “Número Zero”(e foi último mesmo, porque em seguida o festejado escritor italiano – “O nome da rosa”, “O cemitério de Praga”) que a internet deu voz aos imbecis e o Facebook é uma prova viva e diária disso. Não é uma regra absoluta, claro, pois muitas pessoas o utilizam com um sentido de informar, compartilhar, expor, enfim, tornar públicas coisas boas. Como exemplo disse pode ser citado o de caso Wissam Atie,  o “Steve Jobs da Santa Ifigênia”(VEJA São Paulo de 16 de novembro de 2016): atendendo em sua lojinha de 8 metros quadrados um dono que iPhone com um defeito de bateria, cujo conserto, em outra loja, custaria 180 reais, ele, em segundos, fez o reparo e não cobrou. O cliente, um publicitário (Caio Rossoni), postou a história no Facebook e ela viralizou: 73.00 compartilhamentos e 330.000 curtidas.  Os seus negócios não só cresceram, explodiram. É um bom exemplo de uso correto desta rede social.
            Ao lado desse bom uso há o mau uso: pessoas utilizam o Facebook, escondendo-se atrás de perfis falsos, atacam a honra de pessoas, ofendem autoridades e praticam uma sortida de investidas contra o Código Penal. Sem maldade, há outra corrente também tola: a distribui “hoaxes”,        que são aqueles boatos ou informações sem qualquer fundamento que diariamente pululam nas redes sociais. Alguns exemplos: as diversas advertências sobre novos vírus (“se você receber uma mensagem intitulada xis ou ypsilon  não abra pois é um vírus potentíssimo etc”; ou “o diretor da Polícia Federal adverte sobre o novo golpe...”). Sem contar os incontáveis “crackers” que enviam, estes sim, e-mails com vírus mascarados sob a roupagem de uma cobrança ou de uma nota fiscal, os famosos malwares, que sob várias formas atacam o computador. Sobre os “hoaxes”: há dois sites que desmentem essas bobagens aos quais sempre recorro: e-farsas e boato.com.
            Mas a rede social que mais se assemelha ao pelourinho é definitivamente o Facebook: ali facilmente se ataca a honra de uma pessoa, expondo-a a ridículo e causando-lhe um enorme dano, po

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …