Pular para o conteúdo principal

Dois brasileiros condenados por homicídio cometido no Japão




      Está em todos os meios de comunicação: dois brasileiros foram condenados no Brasil por homicídio que cometeram no Japão. Cristiano Ito, atualmente com 39 anos, e Marcelo Chrystian Gomes Fukuda, com 36, a mando da “máfia” japonesa Yakuza, mataram, no ano de 2001, um comerciante de nome Yoshikata Kawakami, a mando do irmão deste. Pensavam que o comerciante estava sozinho, mas ele estava com a mulher, Naomi Kawakami: ao ver que ela estava ali, quiseram matá-la por asfixia e ela se fingiu de morta; sobreviveu, porém. Deixaram o local e dois dias depois, com a ajuda da “máfia”, embarcaram para o Brasil. O mandante do homicídio, julgado no Japão, foi condenado a prisão perpétua. Os fatos ocorreram em Tóquio.
      Em 2011 os dois brasileiros – que, desnecessário seria dizer, são descendentes de japoneses – foram presos e no dia 7 de dezembro de 2016 levados a julgamento em São Paulo, pelos crime se homicídio qualificado consumado e homicídio qualificado tentado. Tendo sido ambos condenados: Cristiano a 22 anos e 1 mês de reclusão, e Marcelo a 23 anos e 7 meses. O advogado de ambos declarou à imprensa que não recorrerá já que considerou as penas “justas”. Para cometer esse “crime de mando”, cada qual recebeu três milhões de ienes cada um – na época, equivaliam a setenta mil reais.
      O tema é interessante: como é que dois brasileiros foram julgados (e condenados) no Brasil por um crime cometido no Japão? A resposta é muito simples e pode ser desdobrada em dois itens.
      EXTRADIÇÃO – Há uma regra básica em Direito Penal: considera-se praticado o crime no local em que ele se consumou e ao fato a lei do país. Isto tem a ver com a soberania dos países (Estados) que têm a primazia de aplicar a sua lei penal nos limites de seus territórios. O Brasil, por exemplo, aplica as leis penais no território brasileiro. Não importa a nacionalidade da pessoa que cometer o crime no território brasileiro (e aqui há extensão do território, compreendendo os barcos e aviões oficiais brasileiros, por exemplo): ela sempre será julgada segundo a lei brasileira. Se o autor do fato fugir para outro país (território), o Brasil requererá a ele a extradição do criminoso. Caso exista tratado de extradição, melhor; caso não exista, basta que haja uma promessa de reciprocidade em caso semelhante no futuro. Mas há um problema: em geral, os países não extraditam os nacionais e esse é o caminho que segue o Brasil. Por imposição constitucional (artigo 5°, inciso LI, da Constituição), o Brasil não extradita brasileiro nato (que nasceu no Brasil) e os naturalizados somente na prática de crime comum praticado antes da naturalização ou “de comprovado envolvimento em tráfico ilícito de entorpecentes e drogas afins, na forma da lei”. Portanto, embora eles sejam descendentes de japoneses, são brasileiros e jamais seriam extraditados; porém, seriam julgados no Brasil conforme a lei penal brasileira, o que, para ambos, poderá constituir-se em vantagem.
      LEI PENAL NO ESPAÇO – Conforme escrito linhas acima, o Código Penal, no artigo 6°, considera “praticado o crime no lugar em que ocorreu a ação ou omissão, no todo ou em parte, bem como onde se produziu ou deveria produzir o resultado”. Apenas para registrar, o homicídio é um crime de resultado, ou seja, da ação (ou omissão) decorre um resultado – no caso, a morte. Porém, a morte a mando da máfia ocorreu no Japão e não no Brasil e para esta hipótese aplica-se o artigo 7° (extraterritorialidade), em que está escrito que “ficam sujeitos à lei brasileira, embora cometidos no estrangeiro... (inciso II) ... os crimes ... (b) praticados por brasileiros”. Todavia, existem condições para que a lei penal seja aplicada ao brasileiro pelo crime cometido no estrangeiro. São elas: (a) entrar o agente no território nacional; (b) ser o fato punível também no país em que foi cometido: (c) estar o crime incluído entre aqueles pelos quais a lei brasileira autoriza a extradição; (d) não ter sido o agente absolvido no estrangeiro ou não ter aí cumprido a pena; (e) não ter sido o agente perdoado no estrangeiro, ou, por outro motivo, não estar extinta a punibilidade, segundo a lei mais favorável. Todos esses requisitos estavam presentes e então foram eles julgados segundo a lei brasileira.
      Assinalei que o fato de ser aplicada a lei penal brasileira (e jamais se aplica a lei do país em que o brasileiro cometeu o crime) poderia ser benéfico aos réus e foi: aqui não existe a prisão perpétua, o que não se dá no Japão, que a prevê, e ao mandante do crime – lembrando, irmão da vítima – foi imposta essa pena. Segundo o Código Penal brasileiro, a pena prevista ao homicídio qualificado é a de reclusão, de 12 a 30 anos.
      Como se vê, a explicação é simples.

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O cunhado de Ana Hickmann e o excesso na legítima defesa

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …