Pular para o conteúdo principal

Mega-sena, Rennê Senna e a viúva da sena




      Parecia um trava-língua pela repetição da palavra. Embora não sejam iguais, pois as palavras são grafadas de forma diferente: uma tem a letra “n” repetida, trazendo à lembrança a figura do supercampeão Ayrton Senna (da Silva – tinha, desculpe dizer, o brasileiríssimo Silva no sobrenome para caracterizá-lo como conterrâneo). O mesmo campeão que teve o seu nome, após a morte, louvado numa música da dupla sertaneja Milionário e José Rico: O herói da velocidade. Aquele mesmo campeão que, num show da lendária Tina Turner, quando ela cantava um dos seus maiores sucessos – The best –, no verso que retrata o nome da canção, Tina aponta para Ayrton Senna como se ele fosse - e era -o melhor. Há video no Youtube retratando a cena.
      Mas o Rennê não tinha essa “bola toda”: tinha era muito dinheiro, recebido por, fazendo jus ao seu sobrenome, porém sem um dos enes, ter acertado o prêmio da mega-sena, “papando” 51 milhões de reais. Ele era um humilde lavrador e teve que amputar as pernas em razão de diabetes mal curada. Com essa tragédia, ele ficou, óbvio, impedido de continuar trabalhando, o que o levou a tornar-se um humilde vendedor de doces na beira da estrada. Corria o ano de 2005 e pobre vendedor de doces, a quem a vida tinha sido uma madrasta, gastando apenas 1 real, que era o preço da aposta mínima, levou sozinho o prêmio da mega.      
      No ano seguinte, já milionário, conheceu Adriana, a quem foi apresentado por sua irmã – dele, Rennê -, com quem trabalhava num salão de beleza. Teria sido “love at first sight”, não se sabe se pelo milionário ou pelo seu dinheiro ou ambos. Iniciaram um namoro que se transformou em convivência marital, tendo ela passado a administrar os bens do companheiro. Mas esse idílio, que não ouso comparar a um conto de fadas, teve curta duração: em janeiro de 2007, o milionário Rennê foi morto por dois encapuzados em Rio Bonito, uma cidade da área do Grande Rio. Como sói acontecer em casos que tais, as primeiras suspeitas recaíram sobre a viúva. Convém esclarecer que tal comportamento não ocorre somente no Brasil: nos EUA, sempre que ocorre um homicídio em família as primeiras investigações miram os familiares; se for morte de cônjuge, o primeiro suspeito é sempre o cônjuge – para usar uma expressão jurídica – supérstite.
      As investigações descobriram que os dois encapuzados eram seguranças de Rennê, de nomes Anderson e Ednei, ambos já julgados e condenados a 18 anos de prisão cada um. No ano de 2011, foi levada a julgamento, e o Conselho de Sentença, composto por cinco homens e 2 mulheres, absolveu-a, mas o Ministério Público, fundamentando-se em dois argumentos – violada a incomunicabilidade entre os jurados e decisão manifestamente contrária à prova dos autos -, recorreu e o Tribunal de Justiça de estado do Rio de Janeiro deu provimento ao recurso, determinando que Adriana fosse julgada novamente.
      A nova sessão de julgamento, depois de três dias, encerrou-se no dia 15 de dezembro de 2016, e o Conselho de Sentença, agora composto por cinco mulheres e dois homens, condenou-a (não se sabe a contagem dos votos: depois de uma reforma processual penal, é praticamente impossível saber a contagem). O juiz-presidente do Tribunal do Júri impôs-lhe 20 anos de reclusão, com cumprimento inicialmente no regime fechado – e, pela lei, nem poderia ter regime prisional inicial que não fosse o fechado. O título deste escrito bem poderia ser outro: feliz no jogo, infeliz no amor...
     Adriana foi apelidada de "viúva" da sena: em sentido completo, poderia ser "viúva do Senna (Rennê, para não confundir)" e da sena-mega...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O STF e a descriminalização do aborto

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …