Pular para o conteúdo principal

A rebelião no "cadeião" de Campinas



      Na década de 70, mais precisamente no ano de 1974, Campinas ganhou uma cadeia pública localizada na rua João Batista Morato do Canto, n° 100, bairro São Bernardo; a construção iniciou-se em 1973. Até então, os presos ficavam confinados num prédio situado na esquina da rua Sebastião de Souza com a avenida Andrade Neves; a entrada era pela rua Sebastião de Souza, n° 150. Já vivia o fenômeno da superlotação, ficando os detentos amontoados. Certa vez, um dos juízes criminais da comarca de Campinas registrou em sentença que aquilo não era uma cadeia, mas um “mero depósito de homens”.
      Com a inauguração da nova cadeia, que, com a excelente disposição do campineiro para pôr apelido em tudo[1], logo passou a ser chamada de “cadeião do São Bernardo”, para ali foram transferidos os presos que estavam no “depósito de homens”. Não demorou para que houvesse a superlotação. Esta, em geral, funciona como uma “panela de pressão”, pois em lugares que cabem poucos e são postos muitos, aumenta-se o risco de desentendimentos.
      Até que no dia 13 de setembro de 1981, um domingo, por volta de 20 horas e 30 minutos “estourou” uma rebelião: os 460 presos que ali estavam “cerraram os cadeados e grades das 34 celas que ocupavam e incendiaram colchões, roupas e aparelhos que possuíam, no pátio central do prédio”[2]. O estopim da revolta foi um desentendimento entre um carcereiro, chamado João Baiano e um dos ocupantes da cela 34, - “onde se encontravam os considerados perigosos” -: ofendido pelo carcereiro, o detento atirou-lhe café quente.
      Para ajudar a conter a revolta, um pelotão de choque da Polícia Militar, composto de 50 soldados, veio a Campinas, comandado pelo Capitão Nakaharada, e, depois de tentativa de pôr um fim pacífico ao evento, por volta de meia-noite invadiu o prédio. O inventário apontou 3 mortos e 73 feridos; entre os mortos estava um conhecido nos meios judiciais e policiais de Campinas, Luís Castro Peixinho, vulgo “tigrinho”, apontado como um dos líderes da rebelião. Outros dois mortos eram Amauri Ribeiro Filho e Fernando do Nascimento Filho, alcunhado “ladrão solitário”.
      Luís Nakaharada, que comandava o pelotão de choque que invadiu o presídio, onze anos depois, já na condição de coronel, esteve envolvido na invasão do Carandiru e que resultou na morte de 111 presos. Por conta desta invasão, ele foi acusado individualmente de ter matado 5 presos no Pavilhão 9. Mas a trama da vida não permitiu que por estas mortes ele se sentasse no banco dos réus: aos 14 de dezembro de 2013 ele sofreu um infarto e faleceu; estava na reserva. No ano seguinte, 2014, o vereador Luiz Benko apresentou à Câmara Municipal de São Paulo um projeto de lei dando o nome de Coronel Nakaharada a uma rua daquele município.
      O Um detalhe curioso – no mínimo, estranho – cerca o episódio da rebelião no “cadeião do São Bernardo”: as notícias a seu respeito são escassas e nem uma busca no Google produz algum resultados.
      Outro detalhe: por causa desse episódio, fui designado para, na condição de Procurador do Estado, no ano de 1983, prestar assistência jurídica aos presos daquele local.


[1] . Em Campinas, até logradouros públicos têm apelido: a Avenida José de Souza Campos é conhecida por “norte-sul”: a Praça Professora Sylvia Simões Magro é conhecida por “Largo São Benedito”; a Praça Imprensa Fluminense é apelidada de “centro de convivência”.
[2] . Conforme matéria do jornal Correio Popular, edição de 15 de setembro de 1981.

Comentários

  1. Caro Silvio
    "Depósitos de homens" vêm aumentando e os problemas deles decorrentes são muito conhecidos das nossas autoridades que, lamentavelmente e descaradamente, não tomam ações efetivas de solução.......
    Quanto aos dados de Campinas, muito interessantes. Parabéns e ab!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O STF e a descriminalização do aborto

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …