Pular para o conteúdo principal

Lion e a questão da paternidade




      Um dos filmes indicados ao Oscar, tanto na categoria de melhor película, melhor ator coadjuvante – Dev Patel -, e na de melhor atriz coadjuvante – Nicole Kidman, “Lion – uma jornada para casa”, é belíssimo, terno, cruel quando precisa ser e indiretamente aborda um tema jurídico que no Brasil encontra-se ainda – sem qualquer trocadilho – em gestação (ou desenvolvimento): a paternidade biológica e a paternidade socioafetiva.
      Sem pretender fazer qualquer “spoiler”, o filme – baseado em fato real – descreve a saga de um garoto de pouca idade – Saroo - que se perde de seu irmão maior – Guddu – numa das incontáveis estações de trem da Índia, sendo adotado, depois de fugas e andanças, por uma família da Austrália, onde passa a ter uma vida condizente com o princípio da dignidade da pessoa humana. Em dado momento de sua vida, com quase 25 anos de idade, passa a ser atormentado por visões do passado – afinal, na corrente causal ele ali estava por conta de uma perda - e resolve pesquisar onde ele teria residido e onde residiriam os seus parentes  – por estes entenda-se a mãe, o irmão (de quem se perdeu na estação) e a irmã. Depois de incansáveis buscas e cálculos, com a preciosa ajuda do Google Earth, num lance de puro acaso, quando já se estava à beira do desânimo, mexendo no cursor do notebook, ele descobre onde seria a casa em que morou.
      Ele sequer sabia pronunciar corretamente o nome da aldeia em que vivia, sequer o seu próprio nome, mas, motivado por esse golpe de sorte proporcionado pelo Google, ele vai ao local e reencontra a mãe e a irmã: o irmão, de quem se perdeu, morreu atropelado por um trem na mesma noite em que se apartaram.
      O filme aborda a situação de crianças “abandonadas” na Índia e aponta que mais de 80.000 crianças são “adotadas” por famílias do mundo todo. Em algumas cenas, fica nítido que algumas dessas crianças são sequestradas e entregues à adoção, ao que se pode, supor, ilícita. Não é o caso de Saroo, pois este é levando a um “internato”, em que recebe lições de inglês e boas maneiras, sendo, afinal, adotado por um maravilhoso casal que optou por não ter filhos e sim adota-los.
      O filme resvala num assunto jurídico muito interessante e que no Brasil, embora seja incipiente, tem sofrido grandes alterações: a paternidade socioafetiva, que algumas vezes se contrapõe à paternidade biológica. Nesse campo do direito civil – o Direito de Família – o Brasil tem conhecido diversas alterações, desde a “barriga solidária”, antigamente chamada “barriga de aluguel”, até a igualdade de condições em direitos entre os filhos biológicos e os adotados. No Brasil, a discussão sobre ambas as paternidades ganhou no Supremo Tribunal Federal “status” de repercussão geral, e, em poucas palavras, este é o resumo: “paternidade socioafetiva não exime de responsabilidade o pai biológico” (Recurso Extraordinário 989060).
      No filme nunca aparece a figura do pai biológico de Saroo, não sendo possível saber era o mesmo de todos os irmãos, e no final do aparecem cenas reais de um encontro entre as mães, a biológica e a socioafetiva abraçadas a ele, todos muito emocionados.
      Embora seja um filmaço, com receio de morder a língua, penso que este não abocanhará o Oscar de melhor película: meu voto iria para outro também baseado em fatos reais, chamado “Até o último homem”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto