Pular para o conteúdo principal

Linchamento




          A palavra linchamento tem uma origem nebulosa: uma versão atribui a sua origem à existência de uma pessoa chamada Lynch. Segundo essa versão, era militar, ora coronel (Charles), ora capitão (William), que, liderando uma turba, matava pessoas acusadas de algum crime, mais especificamente durante a revolução americana, e mais especificadamente ainda, os que fossem pró-britânicos. A prática continuou após a proclamação da independência e fixou-se especialmente contra negros nos anos que se seguiram. Mais do que a idéia de uma turba matando alguém, geralmente na forca, é a ideia de “justiça” sumária, sem possibilidade de que o acusado exerça o direito de defesa.
          Todas as pessoas daquela comunidade, um bairro perto do distrito de Barão Geraldo, eram pacatas, amigas e o local era um oásis de tranquilidade. Até que dois irmãos vieram de mudança para ali residir: começaram os desentendimentos, as agressões e o medo.
          Numa época da semana santa, os dois irmãos encrenqueiros receberam a visita de um meio-irmão, morador de outra cidade, que viera para passar com eles esse final de semana prolongado. Era o componente que faltava para que aqueles cidadãos pacíficos praticassem atos até então nunca vistos.
          Muitos dos moradores estavam aproveitando o feriado para participar de um “rachão” (ou “pelada”, se for preferível) no campo de futebol daquele bairro, quando veio alguém e noticiou mais uma maldade feita pelos irmãos, desta vez acompanhados pelo primo: eles haviam agredido alguém. Como uma fagulha, aquelas pessoas dirigiram-se à residência dos irmãos encrenqueiros e ali aplicaram uma surra nos três. Estes, depois da tunda bem aplicada, inicialmente foram a um hospital para atendimento; depois, a uma delegacia de polícia registrar a ocorrência. Porém, um dos irmãos precisou, em face dos ferimentos, ficar internado – e foi a sua salvação.
          Antes do término da semana santa – no sábado de aleluia mais precisamente, quando se malha o judas – aqueles até então pacatos cidadãos voltaram à residência dos irmãos encrenqueiros e os mataram.
          Instaurado o inquérito policial, foram identificados dezessete participantes do “linchamento”, muitos dos quais contrataram advogados para a defesa. À PAJ coube a defesa de pelo menos três; dois deles, em sessões separadas, foram defendidos por mim.
          Foi difícil ao membro do Ministério Público sustentar, no julgamento do primeiro réu (o processo fora desmembrado: alguns réus recorreram da sentença de pronúncia), a acusação – que era grave: homicídio qualificado –, tendo vítimas tão ruins (quer queira, quer não, os jurados, no crime de homicídio, julgam também a vítima). Parecia que o acusador estava com vontade de requerer a absolvição, mas ele sustentou o libelo.
          Foi uma das defesas mais fáceis de minha carreira: os jurados, sem dúvida julgando também as vítimas, absolveram este primeiro acusado por sete votos a zero.
          Pouco tempo depois foi julgado o segundo acusado e o resultado foi quase o mesmo.
          Infelizmente, a aposentadoria impediu-me de continuar atuando na defesa daqueles pacatos cidadãos. 


 (Capítulo do livro "Casos de júri e outros casos", Editora Millennium.)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …