Pular para o conteúdo principal

As várias mortes do prefeito - capítulo 32


O Juiz da Vara das Execuções Criminais ouviu o porteiro/vigia e sua mulher, o que é inusitado, já que não cabe a esse juízo esse tipo de atividade; na audiência estiveram presente quatro Promotores de Justiça, o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Subseção de Campinas e os dois advogados da família/municipalidade; a mulher, ouvida em primeiro lugar, disse, em linhas gerais, o seguinte: “em nenhum momento foi pressionada pela polícia; não tem pretensão de deixar a cidade[1], pois tem um filho pequeno; afirma que seu marido lhe contou que, na polícia, um policial teria gritado com ele, dizendo que ‘se a gente se ferrar você se ferra junto com a gente’”; “policiais disseram isso pois acreditavam que o marido da depoente sabia de coisas que não podia contar, sobre a morte do prefeito”.
                        Já o vigia/porteiro, em depoimento mais longo, porém confuso em mais de um ponto, afirmou que “foi ouvido no dia dos fatos; posteriormente, em 22 de novembro de 2001, os investigadores Renato, Fernando e Élcio compareceram na casa da testemunha, determinando que prestasse um novo depoimento. Chegando na delegacia, o investigador de polícia Renato, depois de iniciado o depoimento, disse para a testemunha que “não iria se ferrar por culpa da testemunha”[2]. Segundo ela, o investigador queria que ela afirmasse que tinha “visto duas motos abordando o veículo conduzido pela vítima, bem como que a presença das motos no local fosse concomitante aos fatos”. Ela, porém, “manteve sua posição inicial, no sentido de que somente tinha avistado uma moto conduzindo duas pessoas”. Reperguntado pela Promotoria de Justiça, esclareceu que “a seqüência cronológica dos fatos é a seguinte: ouviu o estampido; a polícia chegou ao local dos fatos; vinte minutos depois da chegada da polícia ao local dos fatos a testemunha avistou a motocicleta referida. No primeiro depoimento, o depoente estava nervoso e receoso das conseqüências, razão porque esqueceu-se de alguns fatos”. Disse que não sabia “afirmar se o fato de somente ter visto a moto após a chegada dos policiais consta de seu segundo depoimento”. Acrescentou: “entre o disparo e a vista da motocicleta passaram-se cerca de 30 minutos”.
                       















[1]. O que se mostrou mentiroso, pois ela, o marido e “o filho pequeno” mudaram-se para lugar desconhecido, não tendo sido ouvidos durante o processo.
[2]. Embora se refira ao investigador, disse a testemunha que o Delegado Osmar Porcelli “estava nervoso”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O STF e a descriminalização do aborto

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …