Pular para o conteúdo principal

Brigas de torcidas




      Brasil, o país do futebol! Todo brasileiro deve ter ouvido essa frase um número incontável de vezes. A ela deve ser acrescentada outra: e das brigas entre torcidas também. Torcidas organizadas principalmente.
      Alguns países já passaram por este malefício antes, podendo ser citado como exemplo os “holligans”, da Grã Bretanha e os “barrabravas” da Argentina. Esse período maléfico foi razoavelmente superado – e no Brasil parece que eles estão crescendo.
      Tive a oportunidade de atuar na defesa de um corintiano, que pertencia à torcida organizada chamada “pavilhão nove”, que foi acusado de alguns crimes (lesão corporal, dano, associação criminosa e mais um delito, o previsto no artigo 41B do Estatuto do Torcedor). Não foi uma briga como as comuns, em que as torcidas ou mesmo as alas de uma torcida combinam um encontro para se digladiarem. Foi praticamente um encontro fortuito.
      Um caminhão baú transportava alguns torcedores corintianos, dentre os quais o que eu defendi, que ali estava fortuitamente, pois não fazia parte do grupo, indo apenas de carona até a Rodoviária, quando, ao parar num semáforo, um carro emparelhou e dentro deste veículo estavam três palmeirenses, que começar a “zoar” os corintianos, cujo clube havia sido derrotado pelo alviverde. Alguns torcedores do alvinegro saíram do caminhão baú e, armados de paus e canos de ferro, deram algumas pancadas nos gozadores e danificaram o veículo em que estes estavam.
      Alcançados pela PM, foram todos encaminhados ao plantão policial, exceto um dos palmeirenses, que foi levado ao Pronto Socorro. Tão logo chegaram ao distrito policial, “materializaram-se” alguns advogados constituídos pelas torcidas para defender os seus membros. Lavrado o “termo circunstanciado de ocorrência”, já que, inicialmente, os crimes cometidos poderiam ser classificados como “de menor potencial ofensivo”. Encaminhado o “TCO” à Justiça, foram todos denunciados pelos crimes e foi decretada a prisão preventiva de todos.
      O que chamou a minha atenção nesse processo foi o seguinte: 1°) essas torcidas que se organizaram para irem aos estádios torcer pelos clubes, estão sofrendo um “desvio de finalidade”, prestando-se mais para encontros violentos entre elas ou mesmo entre alas da mesma torcida. As redes sociais têm sido de uma utilidade enorme para agendar estes encontros. 2°) os torcedores que sofrem as agressões não têm o menor interesse em que os agressores sejam punidos; pelo contrário, se fosse possível “retirariam a queixa” a fim de paralisar o processo punitivo. Uma das vítimas disse alto e bom som ao juiz durante a audiência que “já estava tudo certo, que ele não tinha interesse na punição dos agressores”. Esclareceu que os danos no veículo foram consertados e pagos pela torcida organizada a que pertenciam os agressores. 3°) muitos membros de torcida organizada têm uma vasta folha de antecedentes – no caso, um dos acusados no processo era aquele mesmo que soltou um rojão num estádio da Bolívia e matou um torcedor.
      Já se tentou judicialmente a extinção das torcidas organizadas, em vão, e essa tarefa hercúlea foi encetada pelo (então) promotor de Justiça Fernando Capez.
      Elas são um mal que deve ser combatido de outra forma.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …

Tráfico de influência (ou exploração de prestígio)

O Código Penal continha originalmente duas formas do crime de exploração de prestígio, ambas descritas no Título XI da Parte Especial (“crimes contra a Administração Pública”), porém em capítulos diferentes. A primeira modalidade estava no capítulo II desse Título (“crimes praticados por Particular contra a Administração Pública”), mais precisamente no artigo 332, cujo teor era o seguinte: “obter, para si ou para outrem, vantagem ou promessa de vantagem, a pretexto de influir em funcionário público no exercício de função”; a pena era de reclusão, de 1 a 5 anos, mais multa. E o parágrafo único era assim: a pena é aumentada de 1/3 se o agente alega ou insinua que a vantagem é também destinada ao funcionário público”. A outra forma estava descrita no capítulo III (“crimes contra a Administração da Justiça”)do mesmo Título XI; seu conteúdo estava no artigo 357, com a seguinte descrição típica: “solicitar ou receber dinheiro ou qualquer outra utilidade, a pretexto de influir em juiz, jurad…

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…