Pular para o conteúdo principal

Nada como no Maranhão



      Tão logo comecei a cursar a faculdade de Direito – e isso há 43 anos – já se ouvia a frase “o sistema carcerário está falido”. Alguns, mais ácidos, diziam que no Brasil nunca houve um sistema penitenciário. Naqueles idos, para alguns crimes a decretação da prisão provisória era obrigatória. Neste ponto a lei processual penal foi abrandada, deixando de ser compulsória a decretação da prisão cautelar. Como exemplo, a lei Fleury (é em homenagem ao delegado de polícia Sérgio Fleury, um sustentáculo civil do regime militar em São Paulo): tão logo fosse o réu pronunciado, era obrigatório o seu encarceramento. E não podia recorrer em liberdade.
      Embora não seja mais obrigatória a decretação da prisão cautelar e o réu somente será considerado culpado após o trânsito em julgado, alguns artigos do Código Penal e de algumas leis específicas fazem com que os magistrados tenham ressuscitado a prisão compulsória, o que é dizer, cumprimento da pena antes que ela tenha sido imposta. De vez em quando o CNJ faz um “mutirão carcerário” e muitas pessoas são postas em liberdade. Os motivos para a decretação da prisão provisória são os mais diversos – alguns provocam risos. Num caso rumoroso de Campinas, foi requerida a prisão temporária de um dos acusados porque ele “não estava colaborando com a investigação" e, no caso, a colaboração seria admitir a participação no delito.
      Sempre que se descobre um presídio nos moldes do de Pedrinhas, há uma perplexidade geral, comoção, revolta, e depois tudo volta ao normal. São feitas propostas, e uma das mais coerentes, é a que prega a adoção de penas restritivas de direito (alternativas ou substitutivas). Sabe-se que somente deverá o magistrado substituir a pena privativa de liberdade por uma restritiva de direito se o crime não tiver sido cometido com violência ou grave ameaça e ela não for superior a 4 anos. Esses dois requisitos são altamente limitadores do alcance da pena restritiva. Deveríamos ser mais práticos e criar uma lei que permita um maior alcance dessa espécie de pena.
      Outro assunto que vem à tona nesse momento de comoção é a privatização dos presídios. Essa privatização, entenda-se, não pode ser total, pois a execução da pena é judicial, ou seja, quem resolve os vários “incidentes” é o juiz da execução, com fiscalização do Ministério Público e participação da defensoria para os que não podem contratar advogado. No estado de Minas Gerais houve privatização e deu bom resultado; no Maranhão, também houve e a empresa beneficiada é de um amigo da família Sarney – nem é preciso dizer mais nada.
      A pena privativa de liberdade é um mal mundial: excetuados uns poucos casos, em quase todos os países onde ela é aplicada há problemas dentro dos presídios. Nos EUA, há gangues digladiando para assumir o controle dos detentos: a dos arianos, a dos hispânicos, a dos negros, e não raramente ocorrem mortes nessa disputa. Mesmo no Brasil, há facções criminosas atuando dentro e fora de presídios. Num outro enfoque, em 2008 houve uma CPI do sistema penitenciário, relatada pelo deputado Domingos Dutra, então do PT (ele decepcionou-se com as atitudes de membro de seu partido e bandeou-se para o SDD): o clipe é assustador.
      Mas nada se assemelha ao caos descoberto no estado do Maranhão. Aqui há uma explicação fora das teorias penológicas. A família Sarney apossou-se do estado como se fosse uma capitania hereditária há 50 anos e desde então ele vem definhando. O segundo pior IDH do Brasil é dele; o Secretário de Segurança Pública foi guarda-costa do patriarca; uma privatização parcial aquinhoou um amigo da família que nada entendia do tema; no rodízio do poder, hoje governa-o a filha do patriarca que em entrevistas parece que não mora ali.
      O mais desolador de tudo isso é que não há uma solução a curto prazo mas um bom começo seria extirpar a família Sarney do poder.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O cunhado de Ana Hickmann e o excesso na legítima defesa

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …