Pular para o conteúdo principal

Nada como no Maranhão



      Tão logo comecei a cursar a faculdade de Direito – e isso há 43 anos – já se ouvia a frase “o sistema carcerário está falido”. Alguns, mais ácidos, diziam que no Brasil nunca houve um sistema penitenciário. Naqueles idos, para alguns crimes a decretação da prisão provisória era obrigatória. Neste ponto a lei processual penal foi abrandada, deixando de ser compulsória a decretação da prisão cautelar. Como exemplo, a lei Fleury (é em homenagem ao delegado de polícia Sérgio Fleury, um sustentáculo civil do regime militar em São Paulo): tão logo fosse o réu pronunciado, era obrigatório o seu encarceramento. E não podia recorrer em liberdade.
      Embora não seja mais obrigatória a decretação da prisão cautelar e o réu somente será considerado culpado após o trânsito em julgado, alguns artigos do Código Penal e de algumas leis específicas fazem com que os magistrados tenham ressuscitado a prisão compulsória, o que é dizer, cumprimento da pena antes que ela tenha sido imposta. De vez em quando o CNJ faz um “mutirão carcerário” e muitas pessoas são postas em liberdade. Os motivos para a decretação da prisão provisória são os mais diversos – alguns provocam risos. Num caso rumoroso de Campinas, foi requerida a prisão temporária de um dos acusados porque ele “não estava colaborando com a investigação" e, no caso, a colaboração seria admitir a participação no delito.
      Sempre que se descobre um presídio nos moldes do de Pedrinhas, há uma perplexidade geral, comoção, revolta, e depois tudo volta ao normal. São feitas propostas, e uma das mais coerentes, é a que prega a adoção de penas restritivas de direito (alternativas ou substitutivas). Sabe-se que somente deverá o magistrado substituir a pena privativa de liberdade por uma restritiva de direito se o crime não tiver sido cometido com violência ou grave ameaça e ela não for superior a 4 anos. Esses dois requisitos são altamente limitadores do alcance da pena restritiva. Deveríamos ser mais práticos e criar uma lei que permita um maior alcance dessa espécie de pena.
      Outro assunto que vem à tona nesse momento de comoção é a privatização dos presídios. Essa privatização, entenda-se, não pode ser total, pois a execução da pena é judicial, ou seja, quem resolve os vários “incidentes” é o juiz da execução, com fiscalização do Ministério Público e participação da defensoria para os que não podem contratar advogado. No estado de Minas Gerais houve privatização e deu bom resultado; no Maranhão, também houve e a empresa beneficiada é de um amigo da família Sarney – nem é preciso dizer mais nada.
      A pena privativa de liberdade é um mal mundial: excetuados uns poucos casos, em quase todos os países onde ela é aplicada há problemas dentro dos presídios. Nos EUA, há gangues digladiando para assumir o controle dos detentos: a dos arianos, a dos hispânicos, a dos negros, e não raramente ocorrem mortes nessa disputa. Mesmo no Brasil, há facções criminosas atuando dentro e fora de presídios. Num outro enfoque, em 2008 houve uma CPI do sistema penitenciário, relatada pelo deputado Domingos Dutra, então do PT (ele decepcionou-se com as atitudes de membro de seu partido e bandeou-se para o SDD): o clipe é assustador.
      Mas nada se assemelha ao caos descoberto no estado do Maranhão. Aqui há uma explicação fora das teorias penológicas. A família Sarney apossou-se do estado como se fosse uma capitania hereditária há 50 anos e desde então ele vem definhando. O segundo pior IDH do Brasil é dele; o Secretário de Segurança Pública foi guarda-costa do patriarca; uma privatização parcial aquinhoou um amigo da família que nada entendia do tema; no rodízio do poder, hoje governa-o a filha do patriarca que em entrevistas parece que não mora ali.
      O mais desolador de tudo isso é que não há uma solução a curto prazo mas um bom começo seria extirpar a família Sarney do poder.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …