Pular para o conteúdo principal

O dente do engenheiro



            Ele era engenheiro na cidade de Santos e estava cuidando da construção de um prédio na cidade de Valinhos – era o primeiro prédio de alguns andares a ser construído naquela urbe. Durante a construção, ocorreu um acidente, uma fatalidade: um dos peões resolveu ir fumar um cigarro fora da obra e, para ficar mais à vontade, retirou o capacete. Depois de algumas baforadas, um carrinho de mão, desses de ferro para transportar tijolos e outros materiais, caiu do topo da construção como um bólido e acertou o operário na cabeça. Gravemente ferido, ele foi encaminhado ao hospital local, onde ficou internado em coma por vários dias, vindo a falecer. Morreu não diretamente da lesão, mas por uma pneumonia adquirida no tempo que que esteve internado.
            Durante o inquérito policial não se conseguiu saber o que teria provocado a queda do carrinho, já que ele era pesado, tendo a autoridade policial preferido não indiciar ninguém: poderia ter sido obra (sem trocadilho) do acaso. Pela mesma cartilha não atuou o membro do Ministério Público, que denunciou três pessoas: o engenheiro responsável pela obra, o dono da construtora e o mestre de obras (este, coincidentemente, filho do dono da construtora).
            Ao longo da instrução criminal – e foi longa mesmo – o juiz, numa atitude ousada, já que se tratava de tema novo em Direito Penal, extinguiu a punibilidade dos réus pela prescrição penal de forma antecipada (era um tema novo no Direito Penal brasileiro). Inconformado, o membro do Ministério Público interpôs recurso e o (então) Tribunal de Alçada Criminal reformou a decisão, determinando o prosseguimento do processo. Ao final da instrução processual (retomada), todos os réus foram absolvidos. Outro recurso ministerial, desta vez contra a absolvição, debalde.
            A esta altura os leitores devem estar fazendo uma pergunta: onde entra o dente? É que numa das idas que o engenheiro fez ao meu escritório, já que eu estava atuando em sua defesa, ele estava empolgado narrando o acontecido quando repentinamente um dos dentes incisivos simplesmente caiu sobre a escrivaninha: tratava-se de uma coroa que não resistiu ao tempo. Totalmente constrangido, ele tentou recoloca-la, mas ela não permaneceu no local mais do que alguns segundos. Envergonhado, ele prosseguiu na narrativa, porém pondo a mão defronte a boca como que para esconder a falha. A queda da prótese dentária não foi tão desastrosa quanto a queda do carrinho: apenas causou constrangimento.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O cunhado de Ana Hickmann e o excesso na legítima defesa

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …