Pular para o conteúdo principal

As várias mortes do prefeito - capítulo 42


Capítulo 42

                        Aos 28 de janeiro de 2002 foi, via “intranet”, expedida ordem pelo Delegado Geral de Polícia, que é a autoridade máxima da Polícia Civil, superada apenas pelo Secretário de Segurança Pública, para que o inquérito policial, até então tramitando pelo Setor de Homicídios e Proteção à Pessoa da Delegacia de Investigações Gerais da Delegacia Seccional de Polícia de Campinas fosse encaminhado ao Departamento de Homicídios e Proteção è Pessoa do DEIC (um Delegado de Polícia desse departamento já havia participado de algumas audiências realizadas em Campinas, tanto pela polícia, quanto pelo Ministério Público). A ordem era para que aquele departamento de prosseguisse nas investigações “até final conclusão, comunicando-se o juízo local quanto à avocação”.
                        Não obstante a ordem, no dia 29 de janeiro o Delegado de Polícia do SHPP ouviu em depoimento o motorista que conduzia o ônibus que na noite de 10 de setembro, por volta de 22,05 horas, teria impedido o roubo ou seqüestro daquela pessoa que conduzia um veículo Vectra na rua Nova Granada, bairro Novo Cambuí. Disse essa pessoa que iniciou no dia da morte do prefeito o seu turno de trabalho às 14,30 horas, concluindo-o por volta de 23,55 horas. Informou que “uma de suas viagens iniciou-se por volta de 21,55 horas, saindo do ponto inicial/Botafogo, vindo a chegar no ponto/Shopping Iguatemi às 22,45 horas; esclarece que naquela ocasião não viu nada de anormal durante o período em que trabalhou; esclarece ainda conhecer a Rua Nova Granada, pois trata-se de uma via onde costuma passar com o coletivo que conduz, todavia alega não ter visto nada de anormal por essa rua”. Indagado especificamente sobre um delito de tentativa de roubo ou seqüestro que “teria ocorrido na referida rua, alega desconhecer por completo, esclarecendo que passou pela rua Nova Granada por volta de 22,25, pois do seu ponto inicial até a citada rua, costuma transcorrer cerca de trinta minutos”. Portanto, o motorista do ônibus que teria impedido ou roubo ou seqüestro das pessoas que ocupavam o Vectra verde nada viu de estranho ao passar pela Rua Nova Granada.
                                    A ordem para que o inquérito policial fosse enviado ao DHPP causou mal estar e estranheza por alguns motivos e um deles é que um Delegado de Polícia que não conhece os meandros da cidade em que o crime ocorreu não teria condições de investigá-lo; ademais, os policiais de Campinas tinham firme convicção de que os autores do crime foram aqueles rapazes que haviam confessado a sua prática; finalmente, foi a ordem vista como tendo motivação política.
(Do livro "As várias mortes do prefeito", a ser publicado.)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O STF e a descriminalização do aborto

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …