Pular para o conteúdo principal

Imunidades parlamentares



 
    
  O tema é mais do que atual: vários deputados e senadores têm sido apontados em delações premiadas como beneficiários de propinas na Operação Lava-Jato, o que, em tese, configura o crime de corrupção passiva, descrito no artigo 317 do Código Penal. Da mesma forma, outros tantos têm praticado condutas que configurariam crime contra a honra (calúnia, difamação, injúria). Algumas dessas ações estão acobertadas por imunidades chamadas “parlamentares”; existem outras imunidades: estas são chamadas de patrimoniais e, ainda, as diplomáticas.
      Até o ano de 1998 os parlamentares – deputados federais e senadores da república – gozavam de dois tipos de imunidade: a material e a formal. Pela primeira, eles eram invioláveis por suas palavras, votos e opiniões no exercício do mandato. Isso equivale a dizer que o conteúdo de suas manifestações não poderia nunca constituir crime. Palavras, discursos, opiniões, que em geral são formas de cometimento dos crimes contra a honra (estes são de forma livre, mas, em geral, quase na totalidade dos casos são cometidos por meio da fala – óbvio que nada impede que sejam praticados de outra forma, como, por exemplo, escrita). Na discussão de um projeto de lei, se um parlamentar federal emitir opinião que a princípio constituiria uma ofensa contra a honra de alguém, tal não será considerado crime. No Supremo Tribunal Federal há incontáveis exemplos sobre o tema. Se um parlamentar federal no aconchego de seu lar ofender a honra de sua esposa não terá a seu favor a imunidade já que não estava no exercício do mandato.
      Já a imunidade formal atuava de outra forma: para todos os outros crimes – corrupção passiva e estelionato por exemplo -, para que o parlamentar fosse processado era necessária autorização – “licença “ – da casa legislativa a que pertencesse. Por exemplo: um senador que recebesse “propina” e em tese cometesse o crime de corrupção passiva somente poderia ser processado se o Senado da República concedesse a autorização. Esta era pedida pelo Supremo Tribunal Federal (sim, desde aquela época a corte suprema era o órgão do Poder Judiciário encarregado de julgar os parlamentares federais). Enquanto o pedido de licença não fosse julgado ou se fosse negado, o curso do prazo prescricional ficava suspenso e isto criava um ônus ao parlamentar: ele precisava ser reeleito pelo resto de sua vida pois, se não o fosse, perderia a prerrogativa de foro e se tornaria réu.
      Ao tempo da imunidade parlamentar formal muitas pessoas se candidatavam aos cargos federais por eleição apenas para escapar da punição, pois, quando e se eleitos, o processo a que respondiam perante um juiz comum era automaticamente deslocado ao STF, que então precisava pedir a autorização e esta era negada. Numa das vezes em que Michel Temer foi presidente da Câmara, ele resolveu pôr em votação todos os pedidos de licença para julgamento de deputados e praticamente todos foram negados. Era vergonhoso ver parlamentares acusados de toda a sorte de crime ter a licença para processamento perante o STF indeferida.
      No ano de 2001, tendo Aécio Neves como presidente da Câmara, foi aprovada a Emenda Constitucional n° 35, que modificou o artigo 53 da Constituição da República Federativa do Brasil na parte em que ele continha a imunidade formal e, a partir de então, afora os crimes de opinião, os senadores e deputados podem ser processados perante o STF sem necessidade de ser requerida qualquer licença ou autorização. É por esse motivo – a abolição da imunidade parlamentar formal – que se pode ver deputados federais (Eduardo Cunha, por exemplo, e mau exemplo...) e senadores da República (Renan Calheiros, por exemplo, e também mau exemplo...) sentados no banco dos réus, que, afirmam os que conhecem, não tem nenhuma comodidade. Ao contrário: é sob todos os aspectos desconfortável.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …