Pular para o conteúdo principal

O vinho da missa



            Ele um padre e creio que daquelas ordens que fazem voto de pobreza: não usava hábito (ou batina), o que iguala todos, mas sim roupas comuns e muito humildes. Era, conforme devem ser todos os religiosos, muito afável. O seu carro era um Fusca bem usado, que servia para percorrer as ruas da paróquia onde atuava. Um dia, por infortúnio, atropelou um ciclista, causando-lhe ferimentos leves. A princípio, se fosse acusado, seria de lesões corporais (leves)[1] culposas e o inquérito tramitou pelo 4º Distrito Policial, pois o fato ocorreu no bairro Taquaral.
            Fiz o acompanhamento do inquérito, indo com ele até o distrito policial quando ele seria – e foi – ouvido pelo Delegado de Polícia. Tudo o que foi amealhado durante a tramitação do inquérito policial demonstrou que a responsabilidade fora exclusiva do ciclista, ou seja, que este havia “atropelado” o carro do religioso, o que fez com que o Ministério Público requeresse o arquivamento, pleito prontamente atendido pelo Juiz de Direito.
            Não cobrei honorários, óbvio, atuando “pro bono”; porém, como gratidão[2] ele me deu um presente: uma garrafa de vinho daqueles que são utilizados na missa. Talvez nem os mais experientes enólogos fossem capaz de conhecer o vinho pela marca; acredito que ele fosse fabricado apenas para o consumo durante a missa, ou seja, em pouquíssima quantidade. Pareceu-me ser uma zurrapa.
            Confesso que não o tomei: meu gosto é por cerveja.





[1] . Não há, nas lesões corporais culposas, a divisão entre leves, graves, gravíssimas e seguidas de morte (esta divisão é feita pela doutrina; no Código, a divisão entre as lesões dolosas é esta: leves, graves e seguidas de morte).
[2]. Segundo Kant, “a gratidão consiste em honrar uma pessoa devido a um benefício que ela nos concedeu”. (“Metafísica dos costumes”, Folha de São Paulo, 2010, página 201.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O STF e a descriminalização do aborto

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …