Pular para o conteúdo principal

Furto da picanha


              Ele era motoboy e de um restaurante tradicional bem ao lado do fórum, frequentado pela elite empresarial e também por aqueles do meio jurídico. A acusação que pesava contra ele era de tentar subtrair uma peça de picanha de um supermercado localizado no bairro Cambuí. O valor da peça era irrisório e ainda hoje seria, já que por valor irrisório, segundo alguns doutrinadores e julgados de tribunais estaduais e superiores, é algo inferior a 10% do salário mínimo. Embora não se tratasse de uma infração penal de menor potencial ofensivo, já que a pena mínima cominada ao furto simples é de 1 ano de reclusão, cabendo, quando muito, a suspensão processual (artigo 89 da Lei nº 9.099/95), e não a transação penal (artigo 76 da mesma lei), foi feita uma alquimia pelo representante do Ministério Público de forma que pôde ser feita a oferta de transação penal. A alquimia legal consistiu no seguinte: apanhou-se a pena máxima – 4 anos – foi diminuída de 2/3 (diminuição máxima permitida ao crime tentado, artigo 14, parágrafo único, do Código Penal), de forma que a pena máxima cominada ao delito ficou em 1 ano. Feita a operação, foi permitido fazer a proposta de transação penal, prontamente aceita pelo autor do fato. Inicialmente, a proposta seria de doação de uma cesta básica a uma instituição de caridade. Ele recusou a oferta, ponderando, que por ser pobre, não conseguiria atender ao que fora proposto,  devido ao custo da cesta.
            Propôs-se, então, que ele prestasse 8 horas de serviço à comunidade nos fins de semana, o que ele, de início, rechaçou, dizendo que a sua profissão – entregador de refeições daquele restaurante – fazia com que ele trabalhasse mais exatamente nos fins de semana. Por fim, ele acabou concordando em prestar os serviços no fim do dia e assim encerrou-se a sessão.
            Detalhe: perguntei-lhe porque havia tentado subtrair a peça de carne nobre bovina e ele respondeu que iria fazer um churrasco. Pensei: por que não tentou subtrair o carvão, as cervejas, os refrigerantes, o carvão, etc.. Faltava apenas a carne bovina?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …

Tráfico de influência (ou exploração de prestígio)

O Código Penal continha originalmente duas formas do crime de exploração de prestígio, ambas descritas no Título XI da Parte Especial (“crimes contra a Administração Pública”), porém em capítulos diferentes. A primeira modalidade estava no capítulo II desse Título (“crimes praticados por Particular contra a Administração Pública”), mais precisamente no artigo 332, cujo teor era o seguinte: “obter, para si ou para outrem, vantagem ou promessa de vantagem, a pretexto de influir em funcionário público no exercício de função”; a pena era de reclusão, de 1 a 5 anos, mais multa. E o parágrafo único era assim: a pena é aumentada de 1/3 se o agente alega ou insinua que a vantagem é também destinada ao funcionário público”. A outra forma estava descrita no capítulo III (“crimes contra a Administração da Justiça”)do mesmo Título XI; seu conteúdo estava no artigo 357, com a seguinte descrição típica: “solicitar ou receber dinheiro ou qualquer outra utilidade, a pretexto de influir em juiz, jurad…