Pular para o conteúdo principal

Furto da picanha


              Ele era motoboy e de um restaurante tradicional bem ao lado do fórum, frequentado pela elite empresarial e também por aqueles do meio jurídico. A acusação que pesava contra ele era de tentar subtrair uma peça de picanha de um supermercado localizado no bairro Cambuí. O valor da peça era irrisório e ainda hoje seria, já que por valor irrisório, segundo alguns doutrinadores e julgados de tribunais estaduais e superiores, é algo inferior a 10% do salário mínimo. Embora não se tratasse de uma infração penal de menor potencial ofensivo, já que a pena mínima cominada ao furto simples é de 1 ano de reclusão, cabendo, quando muito, a suspensão processual (artigo 89 da Lei nº 9.099/95), e não a transação penal (artigo 76 da mesma lei), foi feita uma alquimia pelo representante do Ministério Público de forma que pôde ser feita a oferta de transação penal. A alquimia legal consistiu no seguinte: apanhou-se a pena máxima – 4 anos – foi diminuída de 2/3 (diminuição máxima permitida ao crime tentado, artigo 14, parágrafo único, do Código Penal), de forma que a pena máxima cominada ao delito ficou em 1 ano. Feita a operação, foi permitido fazer a proposta de transação penal, prontamente aceita pelo autor do fato. Inicialmente, a proposta seria de doação de uma cesta básica a uma instituição de caridade. Ele recusou a oferta, ponderando, que por ser pobre, não conseguiria atender ao que fora proposto,  devido ao custo da cesta.
            Propôs-se, então, que ele prestasse 8 horas de serviço à comunidade nos fins de semana, o que ele, de início, rechaçou, dizendo que a sua profissão – entregador de refeições daquele restaurante – fazia com que ele trabalhasse mais exatamente nos fins de semana. Por fim, ele acabou concordando em prestar os serviços no fim do dia e assim encerrou-se a sessão.
            Detalhe: perguntei-lhe porque havia tentado subtrair a peça de carne nobre bovina e ele respondeu que iria fazer um churrasco. Pensei: por que não tentou subtrair o carvão, as cervejas, os refrigerantes, o carvão, etc.. Faltava apenas a carne bovina?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …