Pular para o conteúdo principal

José Mayer e o "assédio sexual"





      Estourou como uma bomba na mídia e nas “redes sociais”: o consagrado ator de novelas da Globo, José Mayer, teria praticado o crime de assédio sexual contra uma figurinista da mesma emissora. Como sói acontecer em casos que tais, um batalhão de pessoas fez protestos contra a conduta do ator e este, muito timidamente, admitiu que errou. Depois deste episódio envolvendo a figurinista, outras mulheres, uma delas atriz de nomeada, apresentaram-se em público afirmando que elas também foram por ele assediadas. A imprensa noticiou à exaustão.
      Segundo o consagrado escritor Oscar Wilde[1], “a vida imita a arte e não o contrário”: o ator viveu papéis em novelas retratando conquistadores e, desta vez, na vida real, quis reencarnar um deles e deu-se mal.
      O crime de assédio sexual foi introduzido na legislação penal brasileira, mais especificamente no Código Penal, pela Lei n° 10.224, do ano de 2001, tomando o número 216-A (o artigo 216 do Código Penal definia e punia o crime de atentado ao pudor mediante e foi revogado pela Lei n° 12.015, do ano de 2009). Um renomado doutrinador brasileiro disse que a criação desse novel tipo penal foi uma cópia do que existia em outras legislações, especialmente a norte-americana. Se foi uma cópia, foi malfeita.
      É certo que por aquela época grassava uma onda de indignação contra essa atitude masculina de “assediar” mulheres, ocasião em que em alguns países do mundo houve um retrocesso: o elevador, que então era comandado pelo próprio usuário, passou a ter ascensorista para evitar que um passageiro "assediasse" outro. O doutrinador brasileiro que afirma que a lei era cópia (e eu digo: malfeita) cita como exemplo um filme realizado sete anos antes da lei e o assédio era de uma mulher contra um homem: Assédio Sexual (“Disclosure”, estrelado por Demi Moore e Michael Douglas). Esse filme foi baseado num livro de Michael Crichton que, entre outros, escreveu Parque dos Dinossauros.
      A definição existente no artigo 216-A é esta: “constranger alguém com o intuito de obter vantagem ou favorecimento sexual, prevalecendo-se o agente da sua condição de superior hierárquico ou ascendência inerentes ao exercício de emprego, cargo ou função”. A pena prevista é de 1 a 2 anos de detenção. Como se pode ver e ao contrário do que se imagina, o verbo do tipo não "assediar" e sim "constranger". Como o próprio autor admitiu, ele praticou uma conduta que, por assim dizer, “assediou” a figurinista. Mas somente isso, embora confessadamente, não serve para caracterizar a descrição prevista no tipo, ficando faltando elementos essenciais.  
      O verbo do tipo é “constranger” e os intérpretes da lei penal em uníssono dizem que ele tem o significado de “forçar alguém a fazer alguma ou tolher seus movimentos”[2] .  Aqui já fica demonstrada como a cópia foi malfeita. Esse mesmo verbo (“constranger”) está em outros tipos penais, alguns considerados violentos, como, por exemplo a extorsão (no Brasil conhecido por “chantagem”). Ademais, a descrição do artigo 216-A exige que o sujeito ativo (agente) prevaleça-se “da sua condição de superior hierárquico ou ascendência inerentes ao exercício de emprego, cargo ou função”.  Cargo ou função são situações, assim como a hierarquia, exclusivas da Administração Pública. Além disso, a ascendência deve referir-se a um contrato entre o sujeito ativo e o sujeito passivo, ou seja, entre eles deve existir uma relação laboratícia. Ao que consta, eles eram colegas de trabalho, não existindo ascendência entre o ator e a figurinista.
      Por todos os lados que se analise o fato, é forçoso concluir que houve “um assédio” mas nunca “sexual”, ou seja, não se realizou o tipo penal de "assédio sexual".
      Talvez ele tenha cometido uma contravenção penal chamada “importunação ofensiva do pudor”, assim descrita na lei respectiva (artigo 61): “importunar alguém, em lugar público ou aberto ao público, de modo ofensivo ao pudor”.  Mas este é outro assunto.


[1] . O retrato de Dorian Gray é sua obra mais conhecida.
[2] . Assim, por exemplo, Guilherme de Souza Nucci.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O cunhado de Ana Hickmann e o excesso na legítima defesa

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …