Pular para o conteúdo principal

The joke was on me




      O título acima é uma frase da música "I started a joke", dos irmãos Gibb (Robin, Maurice e Barry – os dois primeiros já faleceram; havia um quarto, de nome Andy ["I just want to be your everything", sua melhor música], apelidado“o quarto membro do conjunto"”, falecido precocemente e que nunca fez parte da banda) mais conhecidos por Bee Gees, um dos conjuntos musicais de maior sucesso de todos os tempos. Ela foi lançada no ano de 1968 e “foi a segunda a entrar na lista das dez mais da revista Billboard e a primeira a chegar em primeiro lugar nas paradas brasileiras”[1].
      Ao tomar conhecimento do acordo de delação premiada (alguns a denominam “colaboração premiada” e outros de “dedurismo premiado") lavrado entre os açougueiros proprietários da JBS e o MPF lembrei dessa frase, pois ele é uma verdadeira piada pelo menos em um dos aspectos. Os que consultarem a lei n° 12.850, de 2 de agosto de 2013, com a seguinte ementa: “define organização criminosa e dispõe sobre a investigação criminal, os meios de obtenção da prova, infrações penais correlatas; altera o Decreto-Lei n° 2.848, de 7 de dezembro de 1940 (Código Penal), revoga a Lei 9.434, de 3 de maio de 1995; e dá outras providências”, verão quais são os termos dos prêmios que ali estão dispostos aos “colaboradores”. Quem não quiser dar-se esse trabalho, pode acompanhar pela mídia os termos dos acordos, de todos os acordos que foram firmados entre todos os apanhados pela longa rede da Operação Lava-Jato.
      Por esses acordos, alguns potentados, como donos de empreiteiras, dono de banco, políticos graduados, e outros tantos mais, foram obrigados, como benefício da delação, cumprir a pena em um regime mais brando, cumprir parte dela em regime fechado, usar tornozeleira eletrônica, não deixar o país (alguns não podem deixar nem o próprio domicílio, pois estão em prisão domiciliar) e outras restrições à liberdade, além de pagar pesadas indenizações. Todos – sem exceção – foram processados; todos foram condenados.
      Pois não é que os os delatores obtiveram todos os benefícios, inclusive o maior, que é o de não ser processado. Sim, a lei respectiva prevê (artigo 4°, § 4°, incisos I e II), que o Ministério Público poderá deixar de oferecer denúncia se “o colaborador não for o líder da organização criminosa" ou “for o primeiro a prestar efetiva colaboração nos termos deste artigo”. Eles não eram os líderes? Quem chefiou todas as operações, inclusive com a obtenção de empréstimos oficiais de instituições públicas com juros “a preço de banana” para se tornarem os maiores produtores de proteína animal do mundo? Ademais: como mo MPF chegou a tal conclusão?
      Além de todos os fatos cometidos durante anos, pouco antes da efetivação da colaboração, adquiriram milhões de dólares aproveitando a baixa da moeda estrangeira e lucraram outros milhões com a alta do valor dessa mesma moeda provocada pela notícia da delação.
      Pelos lucros que eles obtiveram com os empréstimos e pelos estragos que eles provocaram ao país, ficou muito barata, praticamente gratuita, a consequência penal. Uma verdadeira afronta aos milhões de brasileiros, enfim uma piada: a piada está no acordo.
      Foram tão poucas as restrições impostas à liberdade que a um deles foi permitido morar na 5th Avenue, Manhattan, NY. a avenida mais icônica de todo o mundo. Terá vizinhos famosos, um deles José Maria Marin, que habita um apartamento, EM PRISÃO DOMICILIAR, na Trump Tower.
      O que ele recebeu foi mesmo um prêmio, um grande prêmio, um sweepstake. Dessa forma, até eu gostaria.       


[1] . Wikipedia.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto