Pular para o conteúdo principal

Django livre


            Até a década de 60 – chamada de “anos de ouro”-, a modalidade de filmes bang-bang era amplamente dominada pelos estadunidenses. Como, de resto, em todas as outras modalidades. Esses filmes tinham um padrão: mocinho, mocinha e bandido. Infalivelmente. Exemplo (e o melhor exemplo): "Os brutos também amam" ("Shane"), de George Stevens, com Alan Ladd no papel principal. Sam Peckinpah rompeu com essa tradição no ano de 1969 ao dirigir um desses filmes, cujo título original era “Wild bunch”- no Brasil tomou o nome de “Meu ódio será sua herança”. Violentíssimo e não tinha mocinhos – somente bandidos.
            Nessa mesma década os italianos entraram no segmento, lançando uma modalidade que foi batizada de “western spaghetti”. Um deles foi “O dólar furado” (no original: “Un dollaro bucato”), estrelado por Montgomery Wood, que na verdade era italiano e se chamava Giuliano Gemma: fez um tremendo sucesso. O filme é de 1965. Eu estudava no período noturno numa escola chamada Ateneu Paulista, localizada na esquina das ruas Doutor Quirino e 14 de Dezembro: “cabulamos” (cabular era um verbo da época) a aula para ir assistir ao filme ali no Cine Ouro Verde, enorme, situado na rua Conceição onde hoje existe um edifício comercial. Embora fosse imenso, eu e meu colegas não conseguimos nos sentar próximos uns dos outros pois a sala estava praticamente lotada. Era um quarta-feira.
            No ano anterior, até Clint Eastwood estrelou um “western spaghetti”, dirigido pelo competente Sergio Leone, chamado “Por um punhado de dólares”; teve uma sequência, “Por uns dólares mais” e outro filme que se tornou, como estes, “cult”: “Três homens em conflito”. Tão espetacularmente como começou, esvaiu-se. Registro que alguns desses filmes tiveram a trilha musical composta por Ennio Morricone, sempre lindas.
            Essa safra produziu no ano de 1966 um filme chamado “Django”, estrelado por Franco Nero e dirigido por Sergio Corbucci. A música, linda, foi composta por um argentino naturalizado italiano, chamado Luis Bacalov e gravada por Roberto (ou Berto) Fia, claro, em italiano. Há outra gravação, em inglês, cantada por Rocky Roberts. O filme tem um início tétrico: um bandoleiro entrando a pé num vilarejo, caminhando pela rua enlameada e puxando um caixão de defunto; num dos ombros, uma sela. O filme pode ser classificado de “trash”, porém transformou-se em “cult movie”. Mexicanos em luta contra norte-americanos e Django entra na 'briga". Enredo fraco, "batido". Está disponível no Youtube, legendado.
            Pois não é que Quentin Tarantino fez um Django livre (“Django unchained”) que não tem quase nada a ver com o original. O de Tarantino passa-se no tempo da escravidão nos EUA e o Django deste filme é negro e era escravo, tendo sido adquirido por um caçador de recompensa travestido de dentista. O filme inicia-se sob o som da música Django, cantada por Rocky Roberts. O melhor "take" é aquele em que há um diálogo entre os dois Djangos, Franco Nero e Jamie Foxx. Este soletra o nome para o outro: D-J-A-N-G-O. Não direi mais para que os que estão lendo este texto animem-se e assistam ao filme. Numa das cenas, em que o Dr. Schultz e Djando estão em Candyland, a música "Fur Elise" é executada na numa harpa.
            Django livre foi indicado ao Oscar como melhor filme e melhor ator coadjuvante, Christoph Waltz (que já levou um Oscar na mesma categoria em outro filme de Tarantino, “Bastardos inglórios”), dentre as categorias mais importantes. O que haveria em comum entre os dois filmes? Nada, a não ser que a música é a mesma e, como dito acima, o melhor “take” é o diálogo entre os dois Djangos. Vale a pena ver.

 http://youtu.be/sqBS7mpIlEo - "link" do filme

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto