Pular para o conteúdo principal

Um novo paradigma da advocacia criminal


 

      Passei muitos anos de minha vida profissional – e até antes de me formar em Direito e obter a minha inscrição na OAB – ouvindo aquela história, que mais parecia lenda urbana (ou judiciária, no presente caso), de que a amizade do advogado com o juiz que julgaria a causa poderia ter alguma influência na decisão judicial, obviamente favorável à parte representada pelo “amigo”. É certo que se o juiz for amigo íntimo da parte, de qualquer das partes, ele deverá declarar-se suspeito e se não o fizer a suspeição poderá ser requerida pela parte contrária, conforme dispõe o Código de Processo Penal, especificamente nos artigos 95 e 254. Porém, como visto, os artigos referem-se à “parte”. Outra lenda judiciária dizia – e, em alguns locais, diz ainda – que se o advogado contratado fosse um “figurão” meio caminho já estaria percorrido: o sucesso seria quase certo.
      Tal lenda judiciária perdurou até recentemente e passou a cair por terra com o julgamento da Ação Penal n° 470, o tão famoso “mensalão”. Quase todos os réus contrataram pesos-pesados, inclusive ex-ministros da Justiça, e um deles proclamava nunca ter perdido um caso sequer (advogado criminalista tem semelhança com pescador: mente um pouco...), mas ele havia, sim, perdido alguns casos, um dos quais o processo do ex-promotor de Justiça Igor Ferreira da Silva, condenado por ter matado a mulher, que era advogada e estava grávida. Embora tivessem os réus do “mensalão” em suas defesas advogados figurões e até amigos de alguns ministros do Supremo, a “sapecada” foi geral: todos foram condenados e a penas altas (o STF derrubou o mito da pena mínima, entre outros). Para alguns restou o recurso à Corte Interamericana de Direitos Humanos, num claro exercício do “jus sperneandi”... O único advogado que obteve relativo sucesso em seu trabalho foi o que defendeu dativamente um dos réus, um "zé ninguém".
      A desconstrução do mito judiciário prosseguiu e com toda a força no processo referente à operação “Lava-Jato” (segundo Ruy Castro, o nome correto deve ser “lava-a-jato”, que representa a ideia com que os envolvidos “branqueavam” rapidamente o dinheiro – alto – que recebiam a título de propina, pois “lava-jato” dá ideia de uma empresa que lave jatos, no caso, aviões...). Nunca se viu tantos empresários engaiolados e sendo defendidos por advogados figurões, que continuamente têm recorrido aos tribunais por intermédio de pedidos de “habeas corpus”, infrutiferamente. Alguns desses empresários já cumprem mais de dois meses “vendo o sol nascer quadrado” de uma cela da Superintendência da Polícia Federal em Curitiba sem que exista o menor sinal de que serão postos em liberdade.
      A existência de tais mitos – e não foram sempre somente mitos, havendo, como sempre um resíduo de verdade – contribui para o descrédito da justiça, e, o que é mais grave, violam o princípio, tão caro ao Estado Democrático de Direito, da igualdade de todos perante a lei (e a justiça, claro). O desfecho do processo referente ao “petróleo” certamente continuará contribuindo celeremente para a desconstrução dos mitos.  
 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …