Pular para o conteúdo principal

O impeachment




      Muitas pessoas sonham com a sua concretização em relação à atual presidente, porém, segundo José Simão, poucos sabem pronunciar a palavra corretamente. E menos ainda sabem o que ela significa, segundo suponho. De pronto, pode-se dizer que, como parece à primeira vista, trata-se de palavra inglesa, cuja tradução literal é “impedimento”: reconhecido ou decretado o “impeachment”, o governante fica impedido de continuar exercendo as funções inerentes ao seu cargo.
      No Brasil houve um precedente na década de 90, quando Fernando Collor de Mello, presidente eleito diretamente pelo voto popular depois de anos de eleição indireta, em que o presidente era indicado pelos militares e “sacramentado” pelos parlamentares, foi julgado e teve decretado o “impeachment”. Sim, o impedimento decorre de um julgamento, como a partir de agora ficará demonstrado.
      O impedimento pode ser decretado quando o Presidente da República tenha cometido crime de responsabilidade e estes estão descritos na lei n° 1.079, de 10 de janeiro de 1950; por exemplo, no artigo 4°, inciso V, está a (im)probidade da administração. Há muitos outros. O artigo 14 da lei em pauta estabelece que “é permitido a qualquer cidadão denunciar o Presidente da República ou ministro de Estado, por crime de responsabilidade, perante a Câmara dos Deputados”. Admitida a acusação, depois de seu trâmite, será votada e para que tenha prosseguimento, deverá ser aprovada por 2/3 (dois terços) dos deputados federais. O julgamento da acusação será feito pelo senado Federal, cuja sessão será presidida pelo presidente do Supremo Tribunal Federal.
      Apenas para lembrar, o julgamento de Collor deu-se a partir de uma CPI que apurava fatos praticados por seu amigo e tesoureiro, PC Farias, depois morto em companhia de sua namorada, Susana. Com base na conclusão da CPI, a Associação Brasileira de Imprensa e a Ordem dos Advogados do Brasil, por seus presidentes, respectivamente Barbosa Lima Sobrinho e Marcello Lavenère, requereram à Câmara dos Deputados que fosse iniciado o processo de impedimento do presidente da República. O pedido foi aprovado e no dia 29 de dezembro de 1992, o Senado Federal, em sessão presidida pelo presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Sidney Sanches, julgou procedente o pedido e decretou o “impeachment”. Antes, porém, de ser iniciado o julgamento, Collor tentou uma derradeira manobra: renunciou ao mandato presidencial, acreditando que com isso o julgamento seria encerrado, já que ele não ocupava mais o cargo, Porém, essa questão foi resolvida, tendo os senadores decidido por prosseguir no julgamento, cujo resultado é de todos sabido.
      Na mesma data desse julgamento histórico, foi descoberto que a atriz Daniela Perez, filha da novelista Gloria Perez, havia sido cruelmente assassinada com 18 golpes de punhal; descobriu-se que os autores da morte foram Guilherme de Pádua (que então contracenava com ela numa novela) e sua mulher, Paula Thomás. O Jornal Nacional dessa noite deu mais importância à morte da atriz do que ao impeachment do presidente.
      O Brasil já tem “hnow-how” no assunto; terá, porém, vontade de pô-lo em prática na atual conjuntura? Haverá pessoa natural ou jurídica disposta a denunciar a presidente? Haverá vontade do presidente da Câmara em processar a denúncia? Haverá número suficiente (2/3) de deputados dispostos a aprovar o processo? Haverá número suficiente de senadores dispostos a decretar o impedimento?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O cunhado de Ana Hickmann e o excesso na legítima defesa

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …