Pular para o conteúdo principal

Estupro na terceira idade




      Um deputado republicano (não é este o motivo) estadunidense, mais precisamente do estado de Iowa, foi preso e está sendo processado sob a acusação de haver estuprado sua mulher. Detalhes do caso: ambos são idosos (ele tem 78 anos), casaram-se quando tinham mais de 70 anos e ela está internada numa clínica especializada por padecer do mal de Alzheimer e foi nesse local que aconteceu entre ambos a conjunção carnal em que teria se constituído o estupro. A polícia foi acionada após a companheira de quarto da esposa do deputado ouvir, por assim dizer, “sons” (prazerosos?) que denotavam a ocorrência de uma relação conjugal. O fato foi contado à filha de casamento anterior da “vítima”, que pediu providências policiais.
      O fato tem algumas facetas interessantes. A primeira delas é o que diz respeito à idade: embora não seja anormal, é na realidade incomum uma pessoa ser ativamente sexual aos 78 anos, embora, quanto a isso, não haja nada definitivo. Ademais, há no Brasil alguns precedentes, e dentro de famílias, em que um idoso estuprou um parente (no ano de 2013 um idoso de 74 anos foi acusado de estuprar a neta de 9 anos). Outro aspecto, e este é o que motivou a ação policial, diz respeito à capacidade de consentir da pessoa quanto à realização da conjunção carnal.
Tomando como parâmetro a lei penal brasileira, sempre que a vítima do estupro – e durante muito tempo apenas a mulher podia ser sujeito passivo desse crime – não fosse maior de 14 anos, fosse alienada ou débil mental e o agente conhecesse tal circunstância, ou por qualquer outro motivo não tivesse podido opor resistência, presumia-se que tinha havido violência. Entre estes “outros motivos”, dizia a doutrina ao interpretar a lei, estavam o sono profundo, o coma alcoólico e outros mais. O estupro, em seu tipo “puro”, consistia no emprego de violência “real” ou grave ameaça contra mulher para constrangê-la à conjunção carnal; havia o tipo “impuro”, em que o emprego de violência era presumido. Depois de mais de 67 anos de vigência do Código Penal, o estupro com violência presumida passou a ser um crime autônomo, chamado “estupro de vulnerável”, com pena alta, de 8 a 15 anos de reclusão. Algumas alterações, porém, vieram com a lei modificativa e uma delas é a referente à enfermidade da vítima, caso em que se presume que a vítima nãp consentiu com a relação sexual.
      Analisando o fato ocorrido nos EUA sob a ótica da lei penal brasileira, o deputado poderia ser incriminado por estupro de vulnerável, já que a sua esposa padece do mal de Alzheimer, e é, portanto, enferma. Inicialmente, em sua defesa, ele alegou que ela não havia perdido totalmente o discernimento quanto à atividade sexual. Em seu julgamento, lá, na maior democracia do mundo, certamente serão ouvidos especialistas em mal de Alzheimer, em sexualidade, a vítima será submetida a perícia, enfim todos os meios lícitos de provar o que se alega serão utilizados.
      Será um julgamento interessante para se assistir e conhecer o veredito que os jurados proferirão.
     

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto