Pular para o conteúdo principal

A maioridade penal e a lesão corporal seguida de morte




      Em dois turnos, como determina a lei, a Câmara dos Deputados aprovou a proposta de emenda à constituição (PEC) n° 171/93, que agora, como também determina a lei, seguirá para votação no Senado Federal. Tal PEC prevê a redução da maioridade penal para 16 anos ("são inimputáveis os menores de 16 anos") e não de forma ampla e sim para uns poucos delitos.
      Desde logo chama a atenção o tempo de tramitação da proposta: 22 anos. Como o presidente da Câmara demonstrou desde que assumiu o cargo a sua ojeriza ao PT, ou melhor, ao governo federal, e tem feito tudo ao seu alcance para infernizar o Poder Executivo, e este e o PT são contrários à redução, só se pode concluir que ele “desengavetou” o projeto apenas como um afronta.
      Mas, como uma redução da maioridade penal “à brasileira”, os nobres parlamentares demonstraram mais uma vez, na elaboração de um projeto e na sua votação, que desconhecem o arcabouço jurídico pátrio. A emenda, uma verdadeira “emenda” no sentido de que “pior a emenda do que o soneto”, prevê a redução da maioridade penal par 16 anos para alguns crimes, dentre os quais os crimes hediondos, tais como estupro e latrocínio -, acrescentando mais dois: o homicídio qualificado e a lesão corporal seguida de morte. O homicídio qualificado por uma lei do longínquo ano de 1994 já é considerado um crime hediondo. Uma das consequências do crime quando tachado de hediondo é que a pena deverá ser cumprida inicialmente no regime fechado – penitenciária de segurança máxima ou média -, devendo o condenado cumprir pelo menos 2/5 da pena; este é apenas um requisito temporal e outros requisitos devem ser atendidos. Isso já demonstra uma profunda desatenção do legislador.
      O que não dá para entender é reduzir a maioridade penal para 16 anos para quem comete o crime de lesão corporal seguida de morte: não existe qualquer fundamento jurídico para essa modificação. O crime de lesão corporal seguida de morte está definido no artigo 129, parágrafo 3°, do Código Penal, como portanto somente um parágrafo do artigo que define o crime de lesão corporal. Diz o artigo 129, “caput”: ofender a integridade corporal ou a saúde de outrem. A pena cominada é de detenção, de 3 meses a 1 ano. Ou seja: é uma infração penal de menor poder ofensivo. O parágrafo 3° tem a seguinte redação: se resulta morte e as circunstâncias evidenciam que o agente não quis o resultado nem assumiu o risco de produzi-lo. A pena é de reclusão, de 4 a 12 anos.
      A lei é muito clara e somente os parlamentares não a enxergaram: o agente não quis [dolo direto] matar a vítima, nem assumiu o risco de produzi-lo [dolo eventual]. Ele quis apenas ofender a integridade corporal ou a saúde da vítima, talvez levemente, e num excesso de fim, provoca a sua morte. Diz a doutrina: há dolo no antecedente e culpa no consequente. Um exemplo tirado da vida real, em que trabalhei na defesa da ré: esta ouvia música em seu quarto num volume que incomodava o seu pai. Este dirigiu-se ao quarto exigindo que o volume fosse diminuído. Instaurou-se uma discussão entre eles, com safanões de ambas as partes. A filha empurrou o pai que caiu e bateu a cabeça na quina da cama, sofrendo uma lesão cerebral, que lhe provocou a morte. As circunstâncias, à toda, evidenciaram que ela não quis a morte do pai, nem assumiu o risco de produzi-la. Caso a pessoa seja condenada pelo crime à pena mínima, 4 anos, poderá cumpri-la integralmente no regime aberto. Poderá, ainda, conforme parte da doutrina, ser substituída por penas restritivas de direitos.
      Pois é: um crime que não é dos mais graves, nem hediondo, teve a maioridade penal reduzida. Não dá para entender.
Abaixo um "link" que contém um capítulo do livro "Casos de júri e outros casos".
 http://silvioartur.blogspot.com.br/2012/07/brincadeira-mortal.html

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …