Pular para o conteúdo principal

O Supremo e o porte de entorpecente para uso próprio


 
      O Brasil já teve algumas leis criminalizando o entorpecente. Começando pelo Código Penal de 1940, o artigo 281 criminalizava o fato, não fazendo nenhuma distinção entre traficante e usuário: a pena era a mesma para ambos. Esse artigo foi modificado pela lei n° 5.721, de de 1975. Ela modificou as penas, porém continuou como a anterior na tarefa de diferenciar traficante e usuário. Foi substituída pela lei n° 6.368, de 1976, que finalmente trouxe a distinção entre usuário e traficante, cominando, ao primeiro, uma pena muito mais branda, seja na quantidade (6 meses a 2 anos), seja na qualidade (detenção). Ao traficante foi cominada pena muito mais grave, tanto na quantidade (3 a 15 anos), quanto na qualidade (reclusão). Finalmente, veio a lei n° 11.343. de 2006, que continuou a fazer distinção entre usuário e traficante: para este, a pena foi aumentada, de 3 a 15 anos, enquanto que ao que quem portar entorpecente para uso próprio fica sujeito a penas que podem ser classificadas como “alternativas”: advertência sobre os efeitos da droga, prestação de serviços à comunidade e comparecimento a programa ou curso educativo. As duas últimas serão impostas por no máximo 5 meses.
      Existe um princípio em Direito Penal chamado princípio da insignificância e ele foi “criado” pelo penalista alemão Claus Roxin. Segundo tal princípio, quando a lesão for pequena – insignificante – não deve resultar em punição. Ele se aplica a crimes que atingem bens jurídicos que não são destruídos pela ação delituosa, embora pudessem ser. Aplica-se o princípio a crimes, segundo orientação judicial, a crimes como o furto, a lesão corporal leve, o peculato, o contrabando. Roxin não o sistematizou a tal ponto, ficando essa tarefa a cargo dos doutrinadores e aplicadores da lei quando interpretam a lei. O STF aplicou esse princípio algumas vezes ao porte de droga para uso próprio dentro de estabelecimento militar (sim, porque o mesmo delito está previsto no COM como crime militar.
      Não é de hoje que alguns estudiosos advogam a não punição do portador de entorpecente, especialmente se for viciado. Dizem sempre que o drogadicto precisa ser tratado e não punido. Um argumento jurídico de profundidade é o que alega que a auto-lesão é impunível, assim como o suicídio. É correto: quem se lesiona (sempre lembro de Vincent Van Gogh serve como exemplo, ao amputar uma orelha) simplesmente porque quer não é punido. Aquele que atinge o extremo contra si, matando-se não é punido. Pode soar estranho, mas quem se matava era punido com castigos mais simbólicos, como o sepultamento em lugar isolado de cemitério, ou – na antiguidade – ser enterrado sem a cabeça. Caso o suicida não consiga o seu intento, seria punido. No direito brasileiro há décadas o suicídio não é punido. Se o Estado reconhece que a pessoa pode atacar-se dessa forma violenta, por que é que ela não pode atacar-se entregando ao consumo de entorpecente.
      Há muito tempo também – pelo menos desde a Constituição da República Federativa do Brasil, que é do ano de 1988 – essa discussão hoje posta ao juízo do STF foi iniciada, pois a “lei maior” protege a vida privada e a intimidade, aquela como gênero, esta como espécie. Este é um dos fundamentos que a mais alta corte de justiça do Brasil, que em julgamento, histórico, deverá manifestar-se se a pessoa pode consumir entorpecente ou não. Afinal, o STF tem sido chamado (como era para ser) por alguns de "corte constitucional".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …