Pular para o conteúdo principal

A lei de Gérson




     Gérson de Oliveira Nunes foi um dos grandes jogadores brasileiros. Seu apelido era “canhotinha de ouro”. “Vestiu as camisas” – como diriam os comentaristas esportivos – de times como Flamengo, Botafogo, Fluminense e São Paulo. Fez parte da famosa seleção brasileira de futebol que, no ano de 1970, no México, abocanhou pela terceira, e derradeira, vez a Taça Jules Rimet. Para os que não lembram, a equipe nacional que vencesse a competição por três vezes ficaria com a taça definitivamente; porém, a alegria durou pouco, pois ela, estando guardada na sede da CBD – Confederação Brasileira de Desportes -, foi surripiada e derretida. Nem essa prova da superioridade do futebol brasileiro foi respeitada, como, de resto, incontáveis outros símbolos são amiúde desrespeitados. Aliás, o furto demonstrou que o brasileiro é superior aos outros povos neste quesito: o desrespeito ao passado.
      Num dado momento de sua exitosa carreira, quando corria o ano de 1976, o craque foi contratado para ser “garoto-propaganda”      de uma marca de cigarro chamada Vila Rica – na verdade, um “estoura-pulmões” -, fartamente veiculada nas emissoras de televisão. Encerrando a sua fala, com um forte sotaque carioca, o futebolista dizia que gostava de levar vantagem em tudo. Bastou para tornar-se um mote, um chavão, repetido à exaustão e convertido num figura de linguagem para demonstrar a pessoa que gosta de tirar proveito de tudo; num ditado popular carioca, “farinha pouca meu pirão primeiro”.
      A agência de propaganda que montou a campanha e nem o craque contavam com essa virulização, essa propagação infindável e cabe uma explicação ao crescimento imenso: ela encarnava exatamente a forma como o brasileiro se punha – e ainda se põe perante os seus concidadãos - na vida social: querendo levar vantagem em tudo. Seja “furando fila”, obtendo carteira de estudante falsa para pagar meio ingresso, ou, no mesmo quesito, mentindo sobre a idade, estacionando irregularmente em vagas reservadas a deficientes e/ou idosos, não devolvendo troco dado por engano a mais: há uma infinidade de condutas que se amoldam à propaganda do cigarro.
      Um livro escrito há tempos, chamado “Sociologia da corrupção”, mostra as diversas e incontáveis facetas da corrupção, começando pela que assola os órgão estatais – e cujo exemplo monumental todos assistem agora com as revelações dos achados da operação Lava-Jato -, em que o partido que governava o país [Partido dos Trabalhadores] montou uma rede tentacular de assalto ao erário. Repetiu, com considerável aumento, aquilo que houvera feito no “mensalão”, as lá a desculpa era outra: precisava dos parlamentares “comprados” para aprovar projetos que beneficiariam a parcela mais pobre da população. Quanto ao “petrolão”, que ora se constata, serviu para “bancar” a campanha eleitora da presidente e de outros candidatos, o partido não deu explicação, apenas repetindo o ramerrão de que somente recebeu doações lícitas e que todas foram declaradas à justiça eleitoral. Algumas palavras devem ser ditas a respeito desse partido: passou mais de duas décadas prometendo a ética na política e quando teve a oportunidade, assaltou os cofres sem dó nem piedade.
      A escada se varre de cima: a partir dos exemplos dados por esse partido político, fica difícil, impossível até, revogar a lei de Gérson.
     

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O STF e a descriminalização do aborto

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …