Pular para o conteúdo principal

A lei de Gérson




     Gérson de Oliveira Nunes foi um dos grandes jogadores brasileiros. Seu apelido era “canhotinha de ouro”. “Vestiu as camisas” – como diriam os comentaristas esportivos – de times como Flamengo, Botafogo, Fluminense e São Paulo. Fez parte da famosa seleção brasileira de futebol que, no ano de 1970, no México, abocanhou pela terceira, e derradeira, vez a Taça Jules Rimet. Para os que não lembram, a equipe nacional que vencesse a competição por três vezes ficaria com a taça definitivamente; porém, a alegria durou pouco, pois ela, estando guardada na sede da CBD – Confederação Brasileira de Desportes -, foi surripiada e derretida. Nem essa prova da superioridade do futebol brasileiro foi respeitada, como, de resto, incontáveis outros símbolos são amiúde desrespeitados. Aliás, o furto demonstrou que o brasileiro é superior aos outros povos neste quesito: o desrespeito ao passado.
      Num dado momento de sua exitosa carreira, quando corria o ano de 1976, o craque foi contratado para ser “garoto-propaganda”      de uma marca de cigarro chamada Vila Rica – na verdade, um “estoura-pulmões” -, fartamente veiculada nas emissoras de televisão. Encerrando a sua fala, com um forte sotaque carioca, o futebolista dizia que gostava de levar vantagem em tudo. Bastou para tornar-se um mote, um chavão, repetido à exaustão e convertido num figura de linguagem para demonstrar a pessoa que gosta de tirar proveito de tudo; num ditado popular carioca, “farinha pouca meu pirão primeiro”.
      A agência de propaganda que montou a campanha e nem o craque contavam com essa virulização, essa propagação infindável e cabe uma explicação ao crescimento imenso: ela encarnava exatamente a forma como o brasileiro se punha – e ainda se põe perante os seus concidadãos - na vida social: querendo levar vantagem em tudo. Seja “furando fila”, obtendo carteira de estudante falsa para pagar meio ingresso, ou, no mesmo quesito, mentindo sobre a idade, estacionando irregularmente em vagas reservadas a deficientes e/ou idosos, não devolvendo troco dado por engano a mais: há uma infinidade de condutas que se amoldam à propaganda do cigarro.
      Um livro escrito há tempos, chamado “Sociologia da corrupção”, mostra as diversas e incontáveis facetas da corrupção, começando pela que assola os órgão estatais – e cujo exemplo monumental todos assistem agora com as revelações dos achados da operação Lava-Jato -, em que o partido que governava o país [Partido dos Trabalhadores] montou uma rede tentacular de assalto ao erário. Repetiu, com considerável aumento, aquilo que houvera feito no “mensalão”, as lá a desculpa era outra: precisava dos parlamentares “comprados” para aprovar projetos que beneficiariam a parcela mais pobre da população. Quanto ao “petrolão”, que ora se constata, serviu para “bancar” a campanha eleitora da presidente e de outros candidatos, o partido não deu explicação, apenas repetindo o ramerrão de que somente recebeu doações lícitas e que todas foram declaradas à justiça eleitoral. Algumas palavras devem ser ditas a respeito desse partido: passou mais de duas décadas prometendo a ética na política e quando teve a oportunidade, assaltou os cofres sem dó nem piedade.
      A escada se varre de cima: a partir dos exemplos dados por esse partido político, fica difícil, impossível até, revogar a lei de Gérson.
     

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …