Pular para o conteúdo principal

Os sapatos do advogado




      Ele teve uma infância difícil, morando, juntamente com sua família, num “cortiço” na avenida Barão de Itapura, bem próximo à linha do trem da Mogiana. Nas várias vezes diárias em que o trem  por ali passava as porteiras eram fechada, interrompendo o tráfego. Depois, a sua família mudou-se para o bairro Vila Nova, nas proximidades da igreja. Numa ocorrência até agora para mim inexplicável, um seu irmão foi morto por um soldado da (então) Força Pública; parece que o projétil atingiu a sua perna e ele entrou num matagal, ali falecendo.
      Durante o fim de sua adolescência e no início da idade adulta ele começou a lavar os automóveis das pessoas do bairro em que eu morava em troca de (hoje) dez ou vinte reais; vários moradores “utilizavam” os seus serviços. Além do pagamento, alguns lhe davam roupas usadas – camisas e calças – e sapatos. Eu mesmo fiz isso algumas vezes. Por essa época ele, afastado da família, morava de favor num quarto de fundo de uma oficina mecânica localizada na rua Dr. Melchert, Vila Nova.
      De repente, parou de vir. Como esses “sumiços” eram mais ou menos habituais, ninguém se alarmou, mas, com o passar do tempo, começou a despertar preocupação. Um dos moradores descobriu que ele estava preso no “cadeião” do bairro São Bernardo. Tão logo eu soube da ocorrência, fui ao presídio conversar com ele. Eu ainda  não era Procurador do Estado, porém prestava ali serviço voluntário como  advogado, dando assistência aos presos “carentes”. Por conta dessa condição, em vez dele ser trazido ao parlatório (que nem parlatório era), entrei na ala das celas (chamadas “xadrezes”), dirigindo-me àquela em que ele estava. O “xadrez” estava apinhado de presos e num local em que cabiam oito, estavam vinte. Tão logo me viu, implorou que o tirasse dali. Perguntei se ele tinha tido alguma ocorrência policial e ele respondeu que, muito tempo antes, um carro fora furtado da oficina e ele fora chamado ao 4° Distrito Policial para ser ouvido. Isso não era o suficiente para um aprisionamento.
      Fui ao fórum e pedi uma busca em seu nome (muito comum, aliás, com muitos homônimos) e encontrei um processo que tramitara pela 1ª Vara Criminal. Ele fora acusado de ter participado do furto por ter aberto o portão da oficina em que morava ao ladrão – morador daquele bairro e seu conhecido e conhecido também dos proprietários da oficina -, que se evadiu com o veículo, capotando-o na rodovia Campinas-Mogi Mirim. Voltei ao presídio e narrei isso; ele me contou que o ladrão, de apelido “Mineiro”, havia levado ao local uma garrafa de pinga, embriagando-o, e depois perguntou se algum dos carros dali tinha as chaves, pois ele queria dar “uma volta”. Embriagado, e iludido, ele cedeu a chave e abriu o portão, tendo, por tal, sido acusado de furto.
      Ele tinha sido ouvido na fase de inquérito e foi processado pela participação na subtração, mas não foi encontrado pelo oficial de justiça. Condenado à pena mínima, 1 ano de reclusão, sendo concedida a suspensão condicional da execução da pena (“sursis”), mas, mais uma vez, ele não encontrado para ser intimado dessa audiência, não tendo, portando, comparecido. A suspensão foi revogada e determinada a expedição de mandado de prisão.
      Fiz uma petição explicando ao juiz toda essa situação, pedindo o restabelecimento da suspensão, pleito imediatamente deferido, e, realizada a audiência, ele foi posto em liberdade. Em seguida, recorri ao (então) Tribunal de Alçada Criminal, obtendo a sua absolvição.
      Onde entram os sapatos? Quando estive no presídio para conversar com ele, ele calçava um par de sapatos que eu lhe dera.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O cunhado de Ana Hickmann e o excesso na legítima defesa

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …