Pular para o conteúdo principal

Don Juan




     
       Um dos primeiros processos criminais em que atuei (não havia prestado concurso ainda) foi por indicação daquele de quem eu fui aluno e assistente na Faculdade de Direito, Álvaro Cury: ele fora procurado por uma pessoa que trabalhava na Replan, em Paulínia, e a acusação que pesava sobre ele era sedução: o ano era de 1976, talvez 1977. Por essa época, caso a pessoa (no caso, apenas o homem[1] – gênero masculino – podia ser sujeito ativo desse delito então classificado como “contra os costumes”) fosse condenada, o máximo em termos de benefício que ela poderia usufruir era a suspensão condicional da execução da pena (“sursis”).
            O atendimento foi feito no escritório de Álvaro Cury, na avenida Francisco Glicério, bem defronte ao largo da Catedral Metropolitana de Campinas. O réu compareceu munido de uma prancheta em que anotava todas as respostas que eram dadas. Foram estipulados os honorários. Ele aceitou. Assumi a sua defesa. Durante a instrução descobri que ele era investigado em um inquérito policial e pelo mesmo crime: sedução.
            Já por aqueles tempos havia uma ideia de descriminalizar a sedução, iniciada com a própria elaboração do Código Penal de 1940, pois no anterior (Código Penal da República, de 1890) o crime, que era chamado de “defloramento”, protegia a virgindade da mulher até os 21 anos, tendo essa idade sido rebaixada para 18 no código seguinte (1940). No Código Penal de 1969[2] (Decreto-lei nº 1.004), a proteção à mulher virgem ia até os 16 anos: era evidente o caminho em direção à “abolitio criminis”, ou seja, à descriminalização.
            Pois bem: no final da década de 70 já era difícil falar em sedução por conta de dois elementos normativos do tipo: a inexperiência e a justificável confiança (um deles precisava ocorrer juntamente com a virgindade da mulher e a conjunção carnal). Aqueles namoros efêmeros em que os envolvidos iam muito rapidamente à conjunção, na visão da doutrina e da jurisprudência não constituíam conteúdo desse crime e foi isso que argumentei na defesa desse meu novel cliente. Analisando a prova, o magistrado entendeu não estarem presentes os elementos do delito imputado ao “don juan” e o absolveu.
            Quanto ao inquérito pela prática de crime semelhante, não houve sequer denúncia: ele foi arquivado.
 (Capítulo do livro "Casos de júri e outros casos", volume II, a ser editado)


[1]. “Seduzir mulher virgem, menor de 18 (dezoito) anos e maior de 14 (catorze),  e ter com ela conjunção carnal, aproveitando-se de sua inexperiência ou justificável confiança”, com pena de reclusão, de 2 a 4 anos. A conjunção carnal somente podia ser praticada entre um homem e uma mulher. Foi o artigo revogado pela Lei nº 11.106/05.
[2]. Este código teve o mais longo período de “vacatio legis” do Brasil: 8 anos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O STF e a descriminalização do aborto

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …