Pular para o conteúdo principal

Curiosidades jurídicas - o equívoco da testemunha


 
      Às vezes, ocorrem situações extremamente curiosas – para não dizer histriônicas – no cotidiano jurídico-penal que são dignas de fazer parte de um anedotário. É de palmar compreensão que em todos os crimes há um lado dramático – por vezes muito dramático, como no homicídio -, mas sempre existe um lado cômico; ao menos, curioso.
      Depois de trinta e nove anos exercendo a advocacia criminal, vinte e cinco dos quais cumulativamente como Procurador do Estado exercendo as atribuições próprias de Defensor Público (naquela época não existia essa importante instituição – o acesso à justiça era exercido pela Procuradoria de Assistência Judiciária) foram incontáveis as situações insólitas por mim presenciadas – em algumas, vividas como protagonista.
      Diversas foram relatadas em um livro por mim escrito “Casos de júri e outros casos”, Editora Millennium, volume I; outras, no segundo volume ainda não publicado.
      Uma dessas situações foi por mim protagonizada. O réu e eu tínhamos sido colegas de turma e tínhamos uma certa semelhança física (a mesma altura, a mesma cor de cabelos, usávamos bigode e éramos [ah! que saudade] magros) e estávamos em início de carreira; o ano era de 1977 e, por razões que agora não vêm a lume, ele e outro advogado começaram a desentender-se. As provocações eram frequentes nos corredores do fórum. Até que uma noite, o meu colega de turma, passando no carro de um seu amigo defronte ao Éden Bar, viu o seu desafeto. Este bar localizava-se quase na esquina das ruas Barão de Jaguara e General Osório e era um “point” em cuja porta ficavam várias pessoas, todas as noites, “batendo papo”(mais adiante, na mesma rua, havia outro “point”, o Café Regina). Como o carro teve que parar por conta da luz vermelha do semáforo, começou a troca de ofensas entre ambos. O meu colega de turma desceu do carro para agredir o seu desafeto e este, ao tentar chutar o agressor, escorregou, caiu e foi “surrado”. Só pela circunstância de ter caído é que ele apanhou, pois era mais alto e mais forte do que o meu colega.
      O agredido foi ao distrito policial e fez lavrar boletim de ocorrência pelo crime de lesão corporal. O agressor foi denunciado pelo Ministério Público e iniciou-se o processo. Ele quis que eu assumisse a sua defesa; inicialmente, relutei. Depois de muita insistência de sua parte, aceitei. No dia da audiência, entrou na sala a primeira testemunha de acusação, que presenciara todo desenrolar dos fatos, já que, na ocasião, conversava com a vítima.
      De plano, dava para perceber que ela tinha algum problema de visão, pois usava óculos com grossas lentes. Instada a falar, passou a descrever com riqueza de detalhes o acontecido. Ao terminar a descrição da agressão, o juiz lhe perguntou se o agressor estava na sala. Ele olhou para mim, mas não para o réu, e respondeu:
      - “Foi ele”, apontando para mim.
      A semelhança entre nós, que não tanta, provocou esse engano. Mais do que depressa pedi ao juiz que fizesse constar na ata da audiência esse equivocado reconhecimento, o que foi feito, debalde, porque esse engano não foi suficiente para que o acusado fosse absolvido. Foi condenado a uma pena de detenção, 2 meses, com a concessão da suspensão condicional da pena.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto