Pular para o conteúdo principal

Curiosidades jurídicas - o equívoco da testemunha


 
      Às vezes, ocorrem situações extremamente curiosas – para não dizer histriônicas – no cotidiano jurídico-penal que são dignas de fazer parte de um anedotário. É de palmar compreensão que em todos os crimes há um lado dramático – por vezes muito dramático, como no homicídio -, mas sempre existe um lado cômico; ao menos, curioso.
      Depois de trinta e nove anos exercendo a advocacia criminal, vinte e cinco dos quais cumulativamente como Procurador do Estado exercendo as atribuições próprias de Defensor Público (naquela época não existia essa importante instituição – o acesso à justiça era exercido pela Procuradoria de Assistência Judiciária) foram incontáveis as situações insólitas por mim presenciadas – em algumas, vividas como protagonista.
      Diversas foram relatadas em um livro por mim escrito “Casos de júri e outros casos”, Editora Millennium, volume I; outras, no segundo volume ainda não publicado.
      Uma dessas situações foi por mim protagonizada. O réu e eu tínhamos sido colegas de turma e tínhamos uma certa semelhança física (a mesma altura, a mesma cor de cabelos, usávamos bigode e éramos [ah! que saudade] magros) e estávamos em início de carreira; o ano era de 1977 e, por razões que agora não vêm a lume, ele e outro advogado começaram a desentender-se. As provocações eram frequentes nos corredores do fórum. Até que uma noite, o meu colega de turma, passando no carro de um seu amigo defronte ao Éden Bar, viu o seu desafeto. Este bar localizava-se quase na esquina das ruas Barão de Jaguara e General Osório e era um “point” em cuja porta ficavam várias pessoas, todas as noites, “batendo papo”(mais adiante, na mesma rua, havia outro “point”, o Café Regina). Como o carro teve que parar por conta da luz vermelha do semáforo, começou a troca de ofensas entre ambos. O meu colega de turma desceu do carro para agredir o seu desafeto e este, ao tentar chutar o agressor, escorregou, caiu e foi “surrado”. Só pela circunstância de ter caído é que ele apanhou, pois era mais alto e mais forte do que o meu colega.
      O agredido foi ao distrito policial e fez lavrar boletim de ocorrência pelo crime de lesão corporal. O agressor foi denunciado pelo Ministério Público e iniciou-se o processo. Ele quis que eu assumisse a sua defesa; inicialmente, relutei. Depois de muita insistência de sua parte, aceitei. No dia da audiência, entrou na sala a primeira testemunha de acusação, que presenciara todo desenrolar dos fatos, já que, na ocasião, conversava com a vítima.
      De plano, dava para perceber que ela tinha algum problema de visão, pois usava óculos com grossas lentes. Instada a falar, passou a descrever com riqueza de detalhes o acontecido. Ao terminar a descrição da agressão, o juiz lhe perguntou se o agressor estava na sala. Ele olhou para mim, mas não para o réu, e respondeu:
      - “Foi ele”, apontando para mim.
      A semelhança entre nós, que não tanta, provocou esse engano. Mais do que depressa pedi ao juiz que fizesse constar na ata da audiência esse equivocado reconhecimento, o que foi feito, debalde, porque esse engano não foi suficiente para que o acusado fosse absolvido. Foi condenado a uma pena de detenção, 2 meses, com a concessão da suspensão condicional da pena.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O cunhado de Ana Hickmann e o excesso na legítima defesa

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …