Pular para o conteúdo principal

O réu confesso.. e absolvido


 
            A lei de entorpecentes – nº 6.368/76 – punia o porte para uso próprio, conforme se deduzia da leitura do artigo 16, com a pena de detenção, de 6 meses a 2 anos, mais multa. Representou essa norma um abrandamento em relação às anteriores[1], pois passou a fazer diferença entre traficante e usuário (ou portador para uso).
            A pessoa que fosse surpreendida portando entorpecente para o seu uso era encaminhada ao plantão policial e autuada em flagrante; como a pena privativa de liberdade prevista era a detenção, a autoridade policial podia fixar o valor da fiança. Apresentado o valor, a pessoa era solta.
            Esse era exatamente o quadro existente naquele processo que tramitava na 2ª Vara Criminal da comarca de Campinas cujo réu fui incumbido de defender na condição de Procurador do Estado. O acusado fora surpreendido com uma quantidade mínima de “maconha”, que em outra época poderia muito bem configurar o princípio da insignificância. Ou, mais posteriormente, a transação penal[2]. Ou, ainda mais posteriormente, uma simples advertência[3].
            A defesa começava a atuar somente após o interrogatório do réu: ao ler esta peça processual, notei que ele havia confessado estar portando a droga proibida, porém era uma confissão extremamente genérica, sem nenhum detalhe. Tal acontecera porque o Juiz de Direito não fizera as perguntas tendentes a esmiuçar a prática do fato. As testemunhas, óbvio, eram os policiais que o haviam surpreendido com o entorpecente, que, como é comum, pouco lembraram do fato.
            Ele foi condenado; inconformado, interpus o recurso de apelação e o fundamento que utilizei foi o de que a única prova existente era o seu interrogatório, porém, superficial, não podendo, assim, servir de suporte à condenação. Admito que não acreditava muito no sucesso do recurso: afinal, sempre houve muita “má vontade” quando o assunto é droga. Porém, para minha surpresa, a câmara criminal deu provimento para absolver o apelante (e condenado).
            Quando os autos voltaram do tribunal, fui ao cartório para ler o acórdão e, claro, fazer uma cópia. Lembrei do dinheiro que fora recolhido a título de fiança e estava depositado numa agência bancária do fórum, conta poupança. Requeri a sua devolução. O magistrado deferiu. Foi expedido o alvará de levantamento da quantia. O documento judicial estava à disposição do interessado. Enviei correspondência a ele. Compareceu um pouco desconfiado. Dei-lhe as boas notícias: absolvido e com dinheiro a receber. Exultou. Saiu. Depois de umas poucas horas retornou com um pacote e me entregou dizendo que era um presente. Surpreendi-me. A atitude era insólita. Abri-o: era uma gravata de crochê, muito em moda na época. Lembrei de Francesco Carrara e de Nelson Hungria: pequenos presentes não constituem material de corrupção passiva. Ele recebera o dinheiro, fora a uma loja muito boa próxima ao fórum e adquirira o presente. Isso se chama gratidão.


[1]. O artigo 281 do Código Penal criminalizava as condutas de igual forma; a lei posterior, nº 5.726/71, igualmente punia ambas as condutas e com as mesmas penas (de 1 a 6 anos de reclusão, multa de 50 a 100 vezes o maior salário mínimo vigente no país.
[2]. Juizados Especiais Criminais (Lei nº 9.099/95).
[3]. Lei nº 11.343/06, artigo 28.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …