Pular para o conteúdo principal

Estupro "coletivo"




      Quando analisam o crime sob o aspecto o sujeito ativo, os doutrinadores dividem-no em unissubjetivos e plurissubjetivos. Nos primeiros, a infração penal pode ser praticada por uma só pessoa, nada impedindo, porém, que dois ou mais dele participem. Quanto aos segundos, há a exigência de que mais de uma pessoa participe do delito. Como exemplo do primeiro, pode-se apontar o estupro; como exemplo do segundo, aponta-se a associação criminosa (antes denominado quadrilha ou bando), ou mesmo a organização criminosa. Os crimes plurissubjetivos são ainda chamados de concurso necessário ou coletivos).
      O acontecimento que envolveu trinta e três estupros cometidos contra uma adolescente e que mobilizou a opinião pública, com algumas autoridades querendo simplesmente“tirar uma casquinha” (como é o caso do Ministro da Justiça, que, como Secretário da Segurança Pública do estado de São Paulo, já praticava esse hábito), outras visivelmente empenhados em descobrir os autores do fato, foi apressadamente intitulado “estupro coletivo”, expressão que provoca uma redução do conceito.
      O estupro, como já dito, é um crime unissubjetivo, ou seja, pode ser praticado por uma só pessoa, nada impedindo que outros nele intervenham. A conceituação do estupro está no artigo 213 e tem a seguinte redação: “constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, a ter conjunção carnal ou a praticar ou permitir que com ele se pratique outro ato libidinoso”, cuja pena é de reclusão, de 6 a 10 anos. Já no artigo 217-A está definido o “estupro de vulnerável”, cuja descrição é a seguinte: “ter conjunção carnal ou praticar outro ato libidinoso com menor de 14 anos”, com a pena de reclusão, de 8 a 15 anos. O parágrafo primeiro deste artigo tem a seguinte redação: “incorre na mesma pena quem pratica as ações descritas no caput com alguém que, por deficiência mental, não tem o necessário discernimento para a prática do ato, ou que, por qualquer outras causa, não pode oferecer resistência”. Esta redação foi determinada pela Lei n° 12.015, de 7 de agosto de 2009. Mas ela já, sob outra roupagem, existia no Código Penal. Pela expressão “qualquer outra causa” entendia-se um torpor ocasionado por excessivo cansaço e também o estado de embriaguez da vítima, situações em que a capacidade de resistência fica diminuída ou anulada.   
      É a hipótese, assim parece, desse “estupro coletivo” no que respeita à vítima que, mesmo sendo maior de 14 anos, estava por assim dizer “dopada”, por circunstâncias ainda desconhecidas, não podendo opor resistência aos desígnios dos violadores.
      Todavia, não foi um estupro “coletivo”e sim foram 33 estupros, ou 66, ou 99, ou 132: cada um dos estupradores que manteve conjunção carnal com a vítima cometeu, como autor, um crime autônomo (o delito, já foi dito, é unissubjetivo) e  em cada outra que prestou auxílio cometeu outro crime, desta feita como partícipe. Se o sujeito ativo manteve conjunção carnal e auxiliou em outras 32, responderá por 33 violações carnais: uma por si mesmo e auxiliando nas outras 32. É, aqui, aplicada a regra do concurso de pessoas (artigo 29 do Código Penal: “quem de qualquer forma concorre para o crime, incide nas penas a este cominadas, na medida de sua culpabilidade”. Pela regra do artigo 69, somar-se-ão as penas.
      Embora seja muito precoce emitir opinião sobre o mérito da questão, uma coisa é certa: denominar “estupro coletivo” é um conceito reducionista.
     

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto