Pular para o conteúdo principal

A maconha como remédio





      Alguém já afirmou que a melhor (talvez única) vantagem de envelhecer é ser testemunha das invenções e das mudanças sociais. É o uso da maconha é sem dúvida uma grande mudança, social, talvez a maior (excetuando-se, claro, os golpes de Estado).
      Quando a minha família veio de mudança para Campinas, no longínquo ano de 1964, já estavam ocorrendo algumas mudanças, se bem que em outro campo dos acontecimentos. The Beatles estavam começando a ser tocados e ouvidos no Brasil – I wanna hold your hand “estourava” -; Roberto Carlos estava parando na contra mão e dando surgimento ao movimento denominado “Jovem Guarda” (em termos artísticos, um dos melhores acontecimentos sem dúvida). E a maconha começava a “dar as caras”. Moramos durante umas semanas na casa em que moravam os meus avós maternos, na Rua Duque de Caxias, 818, defronte à Praça Sylvia Simões Magro (também conhecido por Largo São Benedito) e era muito comum presenciar rapazes consumindo a erva às escâncaras. Já era crime e havia repressão.
      Era, ainda, a época dos hippies, com o lema “paz e amor” – e muita droga, além dos cabelos compridos, alguns com barba, e todos vestindo roupas esquisitas.
      Veio o golpe militar e em Campinas, como um local com quartéis (três, no mínimo), arvoraram-se os militares em não somente combater os corruptos, mas, dizia-se à boca pequena, também os maconheiros. Afirmava-se que os “cabeludos” (a cabeleira longa era imediatamente associada ao consumo de maconha) eram presos, levados a um dos estabelecimentos militares. tinham os cabelos desbastados, além de uns dias em prisão. Não conheci ninguém que tivesse passado por essa agrura e, três anos depois (1967), sendo convocado para prestar o serviço militar, não soube de nenhuma prisão anterior – e durante o meu tempo de prestação nenhuma houve. De qualquer forma, como eu tinha cabelos compridos, à vista de um daqueles caminhões verde-oliva, punha-me ao largo.
      De qualquer forma, o consumo ou o porte de maconha – de qualquer substância entorpecente – era considerado crime. Na lei penal de 1971 não era feita, para efeito de punição, nenhuma distinção entre traficante e consumidor. Tal distinção passou a ser feita na lei penal de 1976, cominando pena privativa de liberdade alta ao traficante e menor punição ao usuário. Finalmente, veio a lei 11.343, de 23 de agosto de 2006, em que ficou muito mais clara a distinção entre traficante e usuário. Para este, a pena prevista é, por exemplo, uma advertência sobre os efeitos da droga (artigo 28), ao passo que para o traficante (uma das figuras) é de 5 a 15 anos de reclusão, além de pesada multa (artigo 33). E já houve tentativa pura e simples de descriminalizar o uso da maconha, num projeto que provocou tanta gritaria que sequer foi apresentado.
      E agora, como está acontecendo em várias partes do mundo, o Brasil está pretendendo “legalizar” o uso da maconha. Ao contrário do que aconteceu no vizinho Uruguai, em que a produção e o consumo foram estatizados, e do que ocorre na Holanda, aqui o uso, como em alguns estados dos EUA, será estritamente medicinal, ou seja, o consumo continua vetado para quem quiser apenas “tirar uma onda”[1], e presentemente está sendo feita a regulamentação.
      Sou testemunha dessas mudanças – o que infelizmente significa que estou entrado em anos, naquela idade em que a idade é contada por décadas...
      (Estive em Amsterdã em 2009 e o consumo de maconha era feito abertamente: nas mesas de bares, nas calçadas, pessoas consumiam-na. Há, ainda, o museu da maconha e a venda de objetos aptos do consumo. Algumas fotos falarão por si.)


[1] . A maconha é uma substância, tal qual a cachaça, que tem incontáveis sinônimos para designa-la: erva, fumo, fuminho, marijuana são alguns. O uso também: tapa na pantera.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …

O STF e a descriminalização do aborto