Pular para o conteúdo principal

O lixo na internet





      Esclarecendo que por internet se deve entender genericamente “redes sociais”, li uma tirinha num jornal (Folha de São Paulo; Malvados, de André Dahmer) em três quadrinhos em que o personagem dizia que especificamente o Facebook era um lixo reciclável. Embora não concordando “em gênero, número e grau” com o personagem, pois entendo que pode-se fazer um uso racional (para não dizer inteligente) das redes sociais (aqui incluindo todas), ele tem razão (em parte): aparecem muitas postagen lixos e que são recicláveis.
      Tratando-se do Facebook, essa bela criação de Mark Zuckerberg e o brasileiro Eduardo Saverin (entre outros), ele tem servido para muitos como “meu querido diário”: o dono do perfil só faz postagens que lhe interessam bem como a um número reduzido de pessoas. Digamos: o seu círculo estrito de amigos e familiares. Alguns postam, na mesma esteira, assuntos que não têm interesse para muitos: por exemplo, um “amigo” professor, que tinha adicionado todos os seus alunos, avisava-os que as notas das provas seriam publicadas tal dia, para ficarem atentos.
      Passando para outra das redes sociais, desta vez o Whatsapp: é incontável o número de postagens que não passam de boatos (isto também ocorre no Facebook) e que são repetidos à exaustão. Descreverei alguns deles a seguir.
      Um boato que teve início no longínquo tempo (rs) em que somente o e-mail era utilizado (ou mais utilizado), um sem-caráter montou um texto, atribuindo a autoria a uma juíza federal de Belo Horizonte, em que ela “ensinava” como agir em caso de sequestro relâmpago: ao ser levado ao banco sob a mira das armas dos ladrões, quando fosse fazer o saque, a vítima deveria teclar a senha ao contrário e isso provocaria o envio de um alerta à polícia. Qualquer pessoa que tenha o cérebro do tamanho de uma ervilha sabe que a senha digitada errada não dispara alarma nenhum e que, na insistência, trava o acesso. A magistrada precisou propor uma ação judicial declaratória pra que ficasse esclarecido que ela não era a autora de tal imbecilidade. Há tempo que não o vejo postado novamente.
      As ofertas de passagens aéreas, brindes de lojas de perfumes, sorteio de automóveis, são postagens diárias no Facebook e no Whatsapp e não adianta avisar a pessoa que compartilha ou encaminha que se trata de um embuste. Este é um claro exemplo da “reciclagem do lixo”, pois, de tempos em tempos, essas mensagens surgem.
      Um boato que é intermitente no Whatsapp é aquele que informa que o juiz Sergio Moro será entrevistado “hoje” pelo jornalista Gerson Camarotti. Detalhe: esse “hoje” nunca se sabe quando é ou foi. A lei orgânica da magistratura nacional proíbe que os juízes deem entrevistas e, além disso, se o juiz se manifestar sob um processo de sua competência, ele imediatamente ficará impedido de prosseguir julgando-o. Imaginem o juiz Sergio Moro dizendo em entrevista que as provas contra o Mollusco são robustas: minutos depois os advogados impetrarão um sem número de recursos para afastá-lo da presidência do processo. Tenho recebido essa mensagem de tempos em tempos e até de pessoas que são da área jurídica.
      Essas notícias falsas deram ensejo ao surgimento de dois sites especialistas em desmenti-los: e-farsas e boatos.org. São utilíssimos e eu sempre os consulto quando desconfio de alguma postagem. Deram ensejo ainda a que o Google tenha criado mecanismos para (tentar) detectar quando uma notícia é falaciosa e algumas publicações (o jornal Correio Popular, por exemplo) a encetarem campanhas para que essa moléstia não mais ocorra.
      Se essas redes sociais forem utilizadas de forma correta (por que não dizer: inteligente) serão poderosos instrumentos de disseminação de conhecimentos, bem como de notícias de interesse geral. E isto não é difícil.
     

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …