Pular para o conteúdo principal

A droga e o vermífugo

A reportagem principal de hoje da FOLHA DE SÃO PAULO, com chamada em letras garrafais na primeira página, é esta: "Droga no Brasil é 'batizada'com anéstesico e vermífugo'". Em termos amplos, desde logo pode-se afirmar que o vermífugo é uma droga: onde ele é comercializado? Nas drogarias, ora pois. A palavra "batizada" indefectivelmente traz à mente uma frase do melhor humorista do momento, o insuperável José Simão: "o Brasil é um país tão religioso que até a gasolina é 'batizada'". Até aqui, tudo certo.
O que chama a atenção é que somente agora é que o fato foi constatado. Desde sempre as drogas foram adulteradas. Uma história para ilustrar: corria o ano de 1975, eu concluía o curso de Direito da PUCCampinas e era escrevente do 3o. Cartório Criminal da comarca de Campinas: o tráfico de drogas ainda "engatinhava" em Campinas e fazia alguns anos que havia entrado em vigor uma nova lei de entorpecentes que modificara o artigo 281 do Código Penal. Ao ser surpreendido com substância causadora de dependência física ou psíquica, a pessoa deveria ser levada à presença da autoridade policial para ser levrado o auto de prisão em flagrante e a pessoa deveria ser apresentada à autoridade judiciária em 2 dias e para dali a 8 dias seria designada a data de julgamento, oportunidade em que nos autos do processo deveria estar o laudo pericial demonstrando que aquilo que fora apreendido era mesmo substância entorpecente. Um jovem, mal entrado na maioridade, foi preso na rua Tomás Alves, próximo a uma lanchonete apontada como local de venda de droga e em seu poder foi encontrado algo que ele afirmou ser uma "pedra" de ácido LSD. No dia da audiência de julgamento, ao lerem o laudo, constataram que aquela "pedra" era um confeito de bolo. Sim, daqueles redondos prateados.  Muita gente fumou fezes de bovino adicionada à maconha. São caos extremos.
Pouco tempo antes de me aposentar (retirei-me no ano de 2008), quando ia substituir algum colega em vara criminal comum (sim, porque a maior parte do tempo em passei atuando como defensor público na Vara do Júri de Campinas), comecei a observar que invariavelmente os laudos periciais de exames feitos em cocaína constatavam que anestésicos (xilocaína, especialmente) eram misturados à droga. Com base nisso, passei a requerer ao juízo que indagasse do IC qual a porcentagem de mistura, pois, como o crime de droga é um crime de dano e não de perigo, dependendo do grau de impureza a droga não conseguiria fazer efeito, o que tornaria aquela conduta um indiferente penal. Mas a resposta que eu sempre tinha consistia no seguinte: é impossível determinar o grau de mistura. Fico imaginando: depois de "narigar" (como se dizia antigamente) uma "carreira", a pessoa se sente anestesiada - até aí nada de muito anormal. O pior é ela começar a eliminar vermes...
Pois é: somente agora vem a público algo de que se tinha conhecimento nos meios forenses há mais de meia década.
Silvio Artur Dias da Silva
Link da reportagem: http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/1113363-cocaina-vendida-no-brasil-e-batizada-ate-com-vermifugo.shtml



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto