Pular para o conteúdo principal

"Judite"


Ocorreu no final da década de 90, na cidade de Campinas, um fato – foi mais de um, na verdade – que a mídia local, sempre ávida para colocar epítetos em acontecimentos, chamou de “a noite do massacre nos motéis”. Foram praticados roubos em dois motéis e mortas algumas pessoas durante a sua realização. Na fuga, os latrocidas praticaram mais um roubo, desta vez contra os ocupantes de um veículo, matando mais pessoas.
                        As investigações efetuadas pela Polícia Civil, especialmente pelo 4° Distrito Policial, circunscrição a que pertenciam os locais onde se deram os fatos, concluíram que um policial militar de prenome Jaime havia participado das ocorrências. Ele foi delatado aos investigadores de polícia por um dos partícipes das empreitadas delituosas e, curiosamente, quando de sua prisão, calçava as botas de uma das vítimas, conforme o delator havia descrito. Teve a sua prisão temporária decretada[1].  
                        Além desse processo[2], o policial militar respondia a outros, em Campinas e outras comarcas próximas. Num deles, apurava-se a morte de um jovem da cidade de Sumaré, que fora apanhado numa praça dessa localidade por algumas pessoas, dentre os quais uma moça e o policial militar, levado a um local chamado “Três Pontes”, depois do distrito de Sousas, e ali executado com muitos disparos de arma de fogo; alguns projéteis atingiram-lhe o rosto. As evidências eram de que todos se conheciam e o jovem havia feito algum tipo de indiscrição à polícia. Ele estava, na noite em foi apanhado, na companhia de algumas pessoas, foi chamado por ocupantes de um carro, entrou no veículo, que era seguido por outro, tudo sem que fosse empregado qualquer tipo de violência ou ameaça.
                        Dos cinco réus, quatro livraram-se de alguma forma; um foi impronunciado, outro foi despronunciado e assim por diante até que chegou o dia do julgamento do policial militar (o processo fora desmembrado em relação aos demais). A defesa seria feita por um colega e como era a primeira atuação dele no tribunal do júri de Campinas, acompanhei-o. Antes que se iniciasse a sessão de julgamento, os policiais militares que escoltavam o acusado (a esta altura já expulso da Polícia Militar) disseram: “doutor, ele não pode ser absolvido; é muito perigoso”. Respondi: “vamos fazer o nosso trabalho, defendendo-o”.
                        Encerrados os debates (a tese foi de negativa de autoria), fomos todos à sala secreta e, para nossa surpresa, os jurados absolveram-no por quatro votos a três.
                        Imediatamente, fui à cela do primeiro andar do fórum, onde ficam os presos, para comunicar-lhe o resultado, o que o deixou muito contente, embora sem comemoração; para satisfazer uma curiosidade que me corroia fazia tempo acerca do seu apelido, perguntei-lhe: “por que o teu apelido é Judite”; como resposta, ele disse, em tom desgostoso, quase truculento: “desconheço”.
                        Melhor não insistir, foi o que pensei. E desisti de saber a origem do apelido.  





[1] . Antes dele, um vigilante particular, de quem se suspeitava, teve também decretada a prisão temporária; esteve preso por aproximadamente 60 dias até que os verdadeiros autores foram descobertos. Essa vítima de erro judiciário requereu ao estado de São Paulo uma indenização, sendo que tal pedido pode ser feito administrativamente.
[2] . Embora fossem várias mortes, o processo era único, em razão daquilo que se chama conexão – forma de determinação da competência prevista no Código de Processo Penal.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O cunhado de Ana Hickmann e o excesso na legítima defesa

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …