Pular para o conteúdo principal

José Dirceu: possíveis penas

Já que muita gente está fazendo prognósticos, aventurar-me-ei a fazer um, porém, mais humilde e restrito: analisarei a possível pena total que será imposta àquele que a Procuradoria Geral da República acusou na denúncia de ser o "chefe de quadrilha": José Dirceu.
A ele era imputada a prática, por 9 vezes, do crime de corrupção ativa - artigo 333 do Código Penal -, cuja pena cominada é de 2 a 12 anos de reclusão, mais multa. A denúncia queria, ainda, que as penas fossem aplicadas em concurso material - artigo 69 do CP -, ou seja, somadas as penas de todos os 9 delitos. A pena prevista ao crime de quadrilha ou bando (e NUNCA, como quer a mídia, "formação de quadrilha") é de 1 a 3 anos de reclusão. A pena imposta a este crime deveria, nos termos da denúncia, ser somada - concurso material - às penas dos crimes de corrupção ativa.
Para clarear: José Dirceu ofereceu (não apenas ofereceu, mas entregou) vantagem indevida, consistente em dinheiro, a 9 parlamentares de partidos políticos para formar o que se denomina "base política". E, para isso realizar, associou-se a outras pessoas (mais de 3): o tipo penal do crime de quadrilha assim descreve a conduta: "associarem-se mais de 3 pessoas, em quadrilha ou bando, para o fim de cometer crimes".
A pena, conforme preceito constitucional, deve ser individualizada, e nesse sentido o seu cálculo deve passar por 3 fases, conforme dispõe o artigo 68 do Código Penal: na 1ª fase são analisadas as circunstâncias judiciais (art. 59), depois as circunstâncias agravantes e as atenuantes (arts. 61 a 66) e, finalmente, as causas de aumento ou diminuição (que estão espalhadas tanto pela Parte Geral, quanto pela Parte Especial).
Portanto, para cada crime de corrupção ativa será calculada uma pena entre 2 e 12 anos de reclusão. Na primeira fase, que aquela em que o juiz tem mais liberdade (autores antigos chamavam de "prudente arbítrio"), certamente ela, a pena, que é chamada de "pena-base", ficará acima do mínimo legal, ou seja, acima de 2 anos. Acredito que ficará em 3 ou 4 anos. Não há circunstâncias agravantes, nem atenuantes, nem causas de aumento ou diminuição. Talvez a agravante do motivo torpe. Pena final: 3 ou 4 anos. Para o crime de quadrilha, acredito que a pena será fixada no máximo, 3 anos, e isso logo na primeira fase, tornando-se a pena final.
A Procuradoria-Geral da República que que sejam somadas as penas dos crimes de corrupção ativa e se for atendida nesse pleito, a pena final será de 27 ou 36 anos de reclusão, que somada com a pena do crime de quadrilha, ascenderá a 30 ou 39 anos de reclusão, sendo obrigatório o regime prisional fechado.
Ocorre que pode o STF reconhecer, para a corrupção ativa, o crime continuado - artigo 71 "caput" do CP -, criado para humanizar as penas, que faz com seja aplicada a pena de somente um dos crimes aumentada entre 1/6 a 2/3. Raciocinando: 3 anos mais 2/3 dão 5 anos que somados aos 3 do crime de quadrilha alcançam 8 anos: regime semi-aberto obrigatório.
Para progredir de regime somente indenizando o dano causado pelo crime - artigo 33, § 4º CP.
Há, ainda, quanto aos crimes de corrupção ativa, a imposição da multa, mas este cálculo farei outro dia.
Para encerrar e lembrar: caso a pena aplicada a qualquer dos crimes seja de 2 anos ocorrerá a prescrição retroativa, pois o recebimento da denúncia, que é causa interruptiva, ocorreu há mais de 5 anos e tal pena prescreve em 4. E para este cálculo as penas não podem ser somadas.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …