Pular para o conteúdo principal

As várias mortes do prefeito - capítulo 24


Um mês após a morte do prefeito foi elaborado o laudo, pela polícia científica, de exame de local; nesse documento, inicialmente é descrito o local em que se deu a morte, e, em seguida, a forma como a vítima foi encontrada. Descreve os ferimentos (embora apenas um projétil tenha atingido a vítima, ele entrou e saiu do corpo, entrando novamente e novamente saindo) da seguinte forma: “ferimentos decorrentes de entrada oblíqua de projétil disparado por arma de fogo na região látero-posterior do braço esquerdo, sem zona de chamuscamento, esfumaçamento ou tatuagem, apresentando orla de contusão, o que indica reação vital quando da entrada do projétil. O projétil transfixou o braço, saindo pela região axilar tendo entrado novamente próximo da axila esquerda da vítima, causando ferimentos internos letais e saindo na região escapular direita, nas costas da vítima”. Acrescentava que “a descrição pormenorizada destes ferimentos, bem como de outros possivelmente existentes, ‘ a ‘causa mortis’, serão objetos de laudo à parte, a ser elaborado pelo IML”. Na “conclusão”, o laudo descreve a dinâmica dos fatos: “trafegava o veículo Fiat Palio de placas DBJ de Campinas pela faixa de rolamento direita da avenida Mackenzie, no sentido Shopping Iguatemi – Rodovia Dom Pedro I, quando na altura da concessionária Adara, próximo à lombada redutora de velocidade, teve seu vidro posterior esquerdo atingido por um projétil disparado por arma de fogo, projétil este que após estilhaçar o vidro da janela da porta traseira esquerda, atingiu a região posterior esquerda do encosto de cabeça do banco dianteiro esquerdo. Após a perfuração, o projétil seguiu até a região posterior direita do encosto vindo a atingir o parafuso de fixação da haste direita do encosto. Esse primeiro disparo apresenta orientação ligeiramente de cima para baixo e da esquerda para a direita e ligeiramente de trás para a frente. Após o retro descrito, ocorreu o segundo disparo, seguindo orientação da esquerda para a direita, e ligeiramente de cima para baixo, que atingiu a região látero-posterior do braço esquerdo da vítima Antonio da Costa Santos. Após a entrada o projétil transfixou a região axilar do braço, entrando novamente pela axila esquerda, atravessando costela, pulmão, vasos e saindo pela região escapular direita nas costas. Após transfixar o corpo da vítima, o projétil atinge a região direita anterior do encosto do banco dianteiro, sai pela lateral deste mesmo encosto e entra na lateral esquerda da região posterior do banco dianteiro direito, atravessando-o e caindo na região posterior direita do assoalho do veículo, atrás do banco dianteiro direito. O terceiro disparo atinge a região mediana anterior do quadro da janela da porta dianteira esquerda transfixando-o e alcançando a coluna anterior esquerda onde sofre trajeto ascendente pelo interior da coluna vindo nessa a se alojar, revelando orientação da frente para trás e ligeiramente da esquerda para a direita e também ligeiramente de baixo para cima”. O laudo vinha ilustrado com 51 fotografias.
                        O laudo de exame de corpo de delito, necroscópico, registrou “quatro ferimentos do tipo pérfuro-contuso que são demonstrados no gráfico anatômico como “A” a “D”, em ordem alfabética. Os ferimentos “A” e “B” são de entradas de projéteis de arma de fogo e suas características são: “A” tem formato arredondado, mede 0,9 cm de diâmetro, tem orla de enxugo[1] e localiza-se na região posterior e terço médio do braço esquerdo; “B” tem formato alongado, mede 2,0x1,5 cm e localiza-se na lateral esquerda do tórax, próximo à axila. Os ferimentos “C” e “D” são de saídas de projéteis de arma de fogo e suas características são: “C” tem formato alongado, mede2x1 cm e localiza-se na região medial e terço proximal do braço esquerdo; “D” tem formato mais ou menos arredondado, bordas um pouco irregulares, mede aproximadamente 0,9 de diâmetro e localiza-se na região escapular direita”. Registra ainda o laudo que no exame interno constatou-se: 1°º] o projétil que penetrou em “A” transfixou braço esquerdo e saiu por “C”; 2°] o projétil que penetrou em “B” muito provavelmente é o mesmo que transfixou o braço esquerdo; em sua trajetória transfixou terceiro arco costal esquerdo, pulmão esquerdo, aorta, vasos do hilo pulmonar direito, pulmão direito, provocou hemotórax bilateral volumoso, saiu da cavidade pelo ferimento “D”; sua trajetória foi da esquerda para a direita, levemente de cima para baixo e levemente da frente para trás; 3°] mas cavidades cranianas e abdominal, nada de interesse médico legal foi encontrado”. Foi feito exame laboratorial toxicológico das vísceras, negativo inclusive para álcool etílico. A conclusão foi a seguinte: “vítima faleceu em conseqüência de anemia aguda devido a perfurações pulmonares e da aorta por projétil de arma de fogo. A trajetória do projétil está descrita acima”.



(Capítulo do livro "As várias mortes do prefeito", a ser publicado.)







[1]. Segundo Hélio Gomes, (“Medicina Legal”, 24ª edição, Freitas Bastos, Rio, página 504) “a orla de enxugo é uma zona que se encontra nas proximidades do orifício, de cor quase escura,e produzida pela pele que se adaptou às faces da bala, limpando-a dos resíduos de pólvora”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O cunhado de Ana Hickmann e o excesso na legítima defesa

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …