Pular para o conteúdo principal

As peladas de Porto Alegre e o ato obsceno




  
    Em Porto Alegre, uma cidade tão ausente dos noticiários, algumas mulheres resolveram praticar corrida “nuas em pelo”, conforme se dizia antigamente. Inicialmente uma, depois outra e finalmente mais outra: pronto, eram três exibindo as “partes pudendas”, porém devidamente aparelhadas à corrida – calçavam tênis e meias.
      Ao ver as fotos, rapidamente me veio à mente um fenômeno que aconteceu na década de 70 inicialmente no exterior, em seguida no Brasil. Nos Estados Unidos da América e na Inglaterra tomou o nome de “streaking” e consistia no seguinte: o “streaker” despia-se em um local longe das vistas das pessoas e depois passava correndo, em alta velocidade, em locais em que havia aglomeração. Alguns eram alcançados pelos policiais e conduzidos às delegacias. Como tudo que é novidade, o Brasil “importou” a prática e aqui ela tomou o nome de “chispada pelada” (chispada vem do verbo chispar, que tem vários significados, sendo um deles “deslocar-se velozmente”).
      Em Campinas aconteceram algumas “chispadas peladas” e um dos locais escolhidos pelos praticantes era defronte a uma lanchonete localizada na avenida Moraes Salles quase esquina com a Júlio de Mesquita, chamada “Chiken-in”, ela mesma uma importação. Ali servia-se batata frita em um cestinho de palha e frango (para fazer jus ao nome) frito crocante. A afluência de pessoas era imensa, daí a razão da escolha desse local.
      Sempre que a polícia conseguia deter o “streaker”, encaminhava-o ao plantão policial e ele era autuado pelo crime de ato obsceno, descrito no artigo 233 do Código Penal com o seguinte teor: “praticar ato obsceno em lugar público, aberto ao exposto ao público”, com a pena de detenção, de 3 meses a 1 ano, ou multa.
      Porém, o enigma da esfinge para os aplicadores e intérpretes da lei penal consistia em elucidar em que consistia o tal “ato obsceno”. Sabendo-se que o Código Penal, em sua Parte Especial (a que descreve os crimes e estipula as penas), é do ano de 1940, os intérpretes de então classificavam o beijo lascivo (claro que com a concordância da mulher) como um ato obsceno. Casais que se engalfinhavam dentro de veículos identicamente eram acusados da prática desse crime. A micção masculina também consistia em ato obsceno; porém, um doutrinador afirmava que se o ato fosse praticado sem a exibição do membro viril, não haveria crime (pus-me a imaginar como isso seria possível: somente se a micção fosse feita nas calças ou se a pessoa usasse um canudo ou um pedaço de mangueira de jardim...).
      Tive a oportunidade de atuar em um caso em que a pessoa fora condenada por ter cometido o crime em questão e o ato obsceno que havia praticado, e pelo qual fora condenado, era a micção (o caso está relatado em meu livro “Casos de júri e outros casos” – “Ato obsceno”). A partir do ano de 1995, com a criação dos juizados especiais criminais, esse crime passou a ser considerado “infração penal de menor potencial ofensivo”, por alguns chamado de “crime de bagatela”, em que não há processo criminal: é lavrado um “termo circunstanciado de ocorrência”, enviado ao fórum e encaminhado ao Ministério Público: se não for caso de arquivamento, será feita a proposta de aplicação imediata de pena (restritiva de direito ou multa) e caso o apontado autor do fato, acompanhado de advogado, aceitar, será o TCO arquivado.
      Pelo que a mídia tem noticiado, nem essa providência com relação às corredoras peladonas de Porto Alegre tem sido tomada, estando as autoridades encarregadas da aplicação da lei penal apenas “observando-as”. Sinal dos tempos: quem fazia a chispada pela cometia ato obsceno e hoje a nudez em público suscita apenas a observação.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O cunhado de Ana Hickmann e o excesso na legítima defesa

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …