Pular para o conteúdo principal

Carona ao viciado




          Ambos eram alunos da Unicamp; um, do colégio técnico; outro, da Faculdade de Tecnologia de Alimentos. Este se mostrou tão capaz e interessado durante o curso que lhe foi atribuída uma bolsa-pesquisa. Nem amigos eram; apenas se conheciam. Uma noite, estavam ambos numa festa quando o do colégio técnico pediu ao outro, que tinha uma moto, que o levasse até a casa de um traficante de entorpecente no bairro Taquaral, mais precisamente num ponto desse bairro que os moradores mais antigos de Campinas chamavam de “furazóio”. Assim foi feito: foram ambos à casa do traficante. O garupa – o estudante do colégio – desceu e adquiriu a droga (“maconha”); era uma quantia razoável. Quando estava se aboletando na moto para saírem dali, foram abordados pela polícia que, para azar de ambos, estava ali vigiando a casa (no jargão policial, “fazendo campana”).
Foram ambos ao plantão policial e o carona foi autuado em flagrante delito pelo crime de porte de entorpecente (artigo 16 da Lei 6.368/76); fixada a fiança e depositado o valor, foi posto em liberdade. O condutor da moto foi ouvido como testemunha.
          Remetidos os autos o inquérito policial, o Promotor de Justiça[1] entendeu, com base numa passagem exageradamente extensiva[2] da lei de entorpecentes, que o condutor da moto havia cometido o crime de tráfico de entorpecente, denunciando-o por esse crime; o carona, e real comprador, foi denunciado como usuário.
          Ao receber a citação e a cópia da denúncia, o aluno-bolsista quase enlouqueceu: se condenado, além de ter que cumprir 3 longos anos de reclusão, teria obstada uma carreira que se mostrava promissora.
          A família procurou-me; assumi a sua defesa (o carona foi defendido por outro advogado).
          Depois de feita toda a instrução, o magistrado entendeu que não havia prova suficiente para condena-lo a tão duras penas e absolveu-o, aplicando o vetusto princípio “in dubio pro reo”; o carona, porém, foi condenado pelo porte de entorpecente, sendo-lhe imposta a pena mínima, 6 meses de detenção, com “sursis” (suspensão condicional da execução da pena). Como era menor de 21 anos na época do fato, o prazo prescricional foi reduzido de metade, e essa causa de extinção da punibilidade ocorreu, o que livrou-o de vez de qualquer encargo criminal.  

(Capítulo do livro "Casos de júri e outros casos", Editora Millennium.)

[1] . Coincidentemente, o mesmo que atuou no caso da universitária (ver "A universitária e o tráfico")
[2] . O texto é este: “nas mesmas penas incorre quem contribui para incentivar ou difundir o uso indevido ou o tráfico ilícito de substância entorpecente ou que determine dependência física ou psíquica”; artigo 12, parágrafo 7°, inciso III, da lei.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto