Pular para o conteúdo principal

Do maçarico à dinamite




      A criatividade dos “amigos do alheio” (como se dizia antanho para caracterizar os que praticavam crimes patrimoniais) é inexcedível: sempre passando de uma forma de atacar o patrimônio alheio à outra e sempre inovando, ao contrário do que acontece em outras modalidades delituosas em que os meios de cometimento são sempre os mesmos. Por exemplo, nos crimes contra a vida: os meios utilizados são sempre a faca, a arma de fogo, a marreta e tantos outros conhecidos, embora Nélson Hungria cite em sua obra “Comentários ao Código Penal” um meio inusitado de matar alguém – provocar risos. O exemplo foi extraído do conto de Monteiro Lobato “O engraçado arrependido” (vale a pena ler o conto – acredito que esteja disponível na “internet”).
      Já os crimes patrimoniais sofrem ao longo do tempo uma metamorfose digna de um conto de Franz Kafka. É certo que alguns desses crimes estão em franca decadência, já que a habilidade e a lábia cederam lugar à truculência. Não se fala mais em “punguista”, o famoso batedor de carteira: será talvez por que as pessoas não mais transportam consigo dinheiro “vivo” e na carteira, preferindo fazer os pagamentos com cartão de crédito? Ou por que em cada investida ao bolso da vítima rendia uns poucos caraminguás? Tive uma oportunidade de presenciar um “punguista” em plena ação e ela se deu num ponto de ônibus defronte a um cinema chamado “Cine Brasília”, que se localizava na rua Regente Feijó, esquina de Barreto Leme: a pessoa nessa ocasião não obteve êxito, porém no interior de um ônibus que trafegava pela avenida Senador Saraiva ele conseguiu “bater” uma carteira de um passageiro e, para sua infelicidade, foi visto e preso, sendo acusado do crime de furto qualificado na modalidade “mediante destreza”.
      Quanto aos bancos – não que eles pratiquem verdadeiros delitos com os juros extorsivos e as taxas estratosféricas -, os ataques dos “amigos do alheio” vão desde as atitudes mais rudimentares até as mais sofisticadas, ora atingindo o patrimônio do próprio banco, ora atingindo o patrimônio dos correntistas. A instalação de “chupa cabras” em caixas eletrônicos, com isso obtendo a senha dos cartões dos correntistas, demanda conhecimentos específicos, inalcançáveis por alguns, mas que os larápios os detêm e utilizam em prejuízo do correntista. As “saidinhas” constituem-se em outra modalidade e nesta a vítima saca vultosa quantia e é abordada ao deixar o estabelecimento de crédito pelos – geralmente são dois e de motocicleta – ladrões, que pretendem, mediante grave ameaça ou violência, subtrair a quantia. Às vezes resulta em morte da pessoa que, apegada ao dinheiro, resiste ao ataque, pretendendo não entregar o numerário, configurando o latrocínio - roubo seguido de morte.
      O ataque aos caixas eletrônicos foi outra atividade que demonstra a metamorfose e ela mesma sofreu mutação: inicialmente os ladrões – e aqui era uma quadrilha – usavam maçarico para abrir o caixa eletrônico (eles diziam que “derretiam” o caixa). O “modus operandi” era este: escolhida a agência bancária, a quadrilha postava-se, alguns nas imediações, outros em seu interior; na porta era afixado um “banner” para ocultar o clarão produzido pela chama do maçarico; e o soldador principiava o trabalho “cortando” o local do caixa em que estavam as notas de dinheiro. O desafio era “derreter” o artefato sem queimar as notas. Como isso demanda tempo e alto risco, houve uma alteração, que consistiu no uso de dinamite: utilizando o explosivo, não se perde tempo e, portanto, o risco é diminuído.
      Adquirir maçarico é uma atividade corriqueira, ao alcance de todos; porém, adquirir dinamite, produto altamente controlado, e até pelo Ministério do Exército, é vetado a quase todas as pessoas, e, no entanto, os ladrões conseguem obtê-lo com alguma facilidade, de modo que algo está falhando nessa atividade e alguns conceitos precisam ser revistos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …