Pular para o conteúdo principal

O indulto de Natal e os mensaleiros




      É tradição no Brasil, desde tempos imemoriais, a concessão pelo presidente da República do indulto de Natal. Aliás, vem essa tradição desde o tempo do Império. Julio Fabbrini Mirabete (Manual de Direito Penal, volume I, página 378) aponta que “a graça, forma de clemência soberana...”, o que vale dizer, é resquício do poder imperial. Graça individual é outro nome do indulto e clemência soberana demonstra que era o soberano, o rei, o imperador, quem concedia o “benefício”. Trata-se de uma forma de extinguir a punibilidade ou somente parte da pena e para ser obtida é necessário que o condenado cumpra alguns requisitos.
      Porém, a mídia, fiel a sua tarefa de em muitos casos desinformar, e, em outros, confundir, passou a denominar de indulto de dia dos pais, dia das mães e quaisquer alusivos a datas comemorativas; assim, tinha-se o indulto “do dia das mães”, o indulto “do dia dos pais”, e, claro, o indulto de Natal. Porém, aqueles outros “indultos” em realidade são saídas temporárias criadas pela Lei de Execução Penal e concedidas aos condenados que cumprem a pena no regime semi-aberto. Trata-se de providência tendente a preparar o preso para a volta quase total à liberdade, já que o regime seguinte é o aberto, prisão albergue, em que ele trabalha durante o dia e permanece na prisão-albergue durante as noites e finais de semana. Na saída temporária, o condenado sai do presídio com a obrigação de retornar; caso não retorne, será considerado que ele abandonou o cumprimento da pena (sinônimo de fuga) e passa a ser procurado.
      Condenado sim, porque somente as pessoas condenadas podem ser agraciadas com o indulto de Natal, e, como dito, é necessário que preencha alguns – vários, na verdade - requisitos. Em primeiro lugar, a condenação não pode ter sido por crime praticado com o emprego de grave ameaça ou violência a pessoa, o que, de plano, exclui os que cometeram os crimes de roubo, extorsão, extorsão mediante sequestro e muitos outros. Em segundo lugar, deve o condenado ter cumprido uma parte da pena: dependendo da situação, mais de um terço ou mais de metade, e com bom comportamento carcerário. Em algumas hipóteses, exige o decreto presidencial que a pessoa tenha reparado o dano, salvo impossibilidade de fazê-lo (este requisito é exigido nos crimes contra a administração pública para que o condenado possa progredir de regime).
      A mídia, agora fiel a sua tarefa de indispor as pessoas contra algumas atitudes governamentais, já “alertou” que alguns “mensaleiros” poderão ser indultados e com isso safarem-se do restante de pena que têm a cumprir. É provável que tal ocorra e tanto eles quanto incontáveis condenados que cumprem pena poderão igualmente ser agraciados com a medida: é que o indulto tem caráter coletivo, atingindo um número indeterminado de pessoas, bastando que elas preencham os requisitos constantes do decreto.
      Outros mensaleiros que não cumprirem os requisitos exigidos poderão ser beneficiados com a saída temporária, devendo, todavia, retornar ao estabelecimento carcerário, ao passo que aqueles que forem indultados não necessitarão voltar ao presídio, ainda que seja semi-aberto.
      A teoria da conspiração, que também habita certos grotões da mídia, certamente noticiará que os mensaleiros foram indevidamente beneficiados: pura ignorância.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto