Pular para o conteúdo principal

O televisor de muitas polegadas




      Os eletro-eletrônicos sofrem constantemente alterações: à boca pequena diz-se que em poucos meses um aparelho de última geração “envelhece”. Também os “gadgets” têm conhecido um constante progresso e aprimoramento. Os telefones celulares ora diminuem de tamanho, ora aumentam; o mesmo se diga dos computadores pessoais, bem como dos “notebooks”. Os televisores formam um caso à parte, com as telas cada vez maiores. Mas o progresso não se limita aos tamanhos das telas e sim também a outros componentes, mas o que é notável mesmo é o tamanho da tela. Plasma, LCD e outros avanços tornam-se secundários quando se analisa a tela, cada vez maior – e o preço aumenta na mesma proporção da tela. Sem dúvida, todos esses aparelhos fazem parte do objeto de desejo de todas as pessoas. E quando não se tem o bem, nem dinheiro para adquiri-lo, e nem vergonha na cara, furta-se-o. Sempre se admitiu que o sonho do brasileiro era a casa própria: aproveitando-se desse fato, o governo federal criou um projeto em que a casa própria é atrelada à própria vida. Porém, Assis Chateaubriand disse que o maior sonho era o carro próprio (dessa ideia o governo também se apropriou ao reduzir a zero o IPI). Modernamente, é de se crer que o sonho é mesmo um televisor de última geração.
      Aquela audiência da qual eu iria participar era referente a um caso de furto qualificado pela destruição (ou rompimento) de obstáculo, mais conhecido como “arrombamento” pela mídia e parte da polícia: o “amigo do alheio” arromba a porta da casa ou mesmo uma janela, entra no imóvel e dali subtrai os objetos que deseja levar – tantos quantos puder carregar. No caso presente, o ladrão havia levado um televisor de muitas polegadas.
      Na audiência seriam ouvidas as testemunhas de acusação, em cujo rol figurava a vítima, ou seja, o dono do objeto subtraído. Obviamente, ela não é testemunha, mas as suas declarações são tomadas na mesma audiência em que são ouvidas as testemunhas de acusação. Estas, em geral, são os policiais que investigaram o crime ou os que participaram da prisão do suspeito. Isso ocorre porque esse tipo de delito – o furto qualificado – é, as mais das vezes, praticado sem que o larápio possa ser visto – a não ser que, por muita falta de sorte, ele seja surpreendido em plena ação. Mas isto não havia ocorrido no caso.
      Ouvida a vítima, ela fez a narrativa de praxe: estava fora de casa e quanto retornou encontrou a porta arrombada, tudo revirado e deu pela falta de alguns bens. Dentre os bens furtados, disse a vítima, havia um televisor de muitas polegadas (a memória me falha agora para dizer o número exato). Depois da vítima, vieram os policiais que haviam investigado caso, descoberto o nome do ladrão e, hurra, encontrado e apreendido o televisor. Durante o seu depoimento, o policial disse que ao entrar na casa em que morava o autor do crime patrimonial, encontrou o televisor, porém o local era uma edícula e o aparelho estava num quarto muito pequeno e o televisor era tão grande que era impossível assistir a qualquer programa naquele aparelho, pois este ficava “encostado” no rosto da pessoa: não se conseguia guardar a distância mínima recomendada pelo fabricante e pela ciência. Quase era necessário assistir aos programas do lado de fora do quarto, pela janela.
      O aparelho foi apreendido e devolvido ao proprietário, coisa rara de acontecer. Pareceu-me, pela situação, que o desejo de obter, ainda que de forma ilícita, aquele objeto era maior do que o número de polegadas do televisor, também maior da modesta habitação em que ele vivia, mas, mesmo assim, para satisfazer o seu desejo ele o furtou, embora não pudesse estar usufruindo-o.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …