Pular para o conteúdo principal

O botijão de gás e o martelo paraguaio




          Ela era universitária, de boa família; o pai era proprietário de uma empresa de ônibus de fretamento, na qual ela trabalhava. Ele, motorista da empresa do pai dela. Iniciaram um namoro; descoberto, em razão do desnível social entre ambos, foi imposto pelo pai dela que ela o encerrasse.
          Uma noite, ela não retornou para casa; a família ficou extremamente preocupada. No dia seguinte, no interior de um “fusca” estacionado próximo a uma lanchonete, foi encontrado o corpo de uma jovem, no banco de trás, envolto em um cobertor: o rosto desfigurado e inúmeros ferimentos sujos de algo negro, escuro (o que fez pensar que fosse carvão: os ferimentos teriam então sido provocados por um espeto, foi a primeira dedução) no lado esquerdo do peito, no local em que está o coração; era ela. Levado o corpo a necropsia, os peritos não conseguiram descobrir a origem dos ferimentos.
          O Setor de Homicídios da Delegacia Seccional de Polícia de Campinas concentrou as investigações no motorista e logo descobriu que fora ele: ele havia faltado ao trabalho no seguinte à morte dela, fato facilmente constatado examinando-se o cartão-ponto do suspeito. Levado à presença do Delegado, confessou com riqueza de detalhes; parecia um filme de horror.
          Encontrara-se e ela lhe disse que não poderiam mais namorar, por imposição familiar. Ele propôs que fossem à edícula em que ele morava. Foram. Ali, segundo relatou, ela estava deitada na sala, vendo televisão; ele, sorrateiramente, foi à cozinha, desatarraxou o botijão de gás e arremessou contra a cabeça dela (a cabeça estava apoiada numa almofada, o que impediu que o crânio fosse totalmente esmigalhado); nos estertores, ele apanhou um martelo paraguaio[1], sacou o cabo e desferiu-lhe vários golpes sobre o coração. Depois, enrolou o corpo num cobertor, colocou-o no banco traseiro do fusca (que era da vítima), dirigiu-se até outro bairro, onde o abandonou, atirando as chaves num terreno baldio. O martelo paraguaio ele, segundo disse, atirou-o num córrego.
          A família contratou-me para atuar como assistente de acusação. Minha primeira providência foi escarafunchar o passado do matador: ele havia sido condenado em comarca próxima de Campinas por lesão corporal praticada contra a mulher com quem fora casado. A segunda providência foi pedir que fosse comprado um martelo paraguaio, a fim de ser exibido aos jurados. Foi pedido um exame de sanidade mental, que apontou-o como semi-imputável[2], o que, em tese, faria com que a sua pena fosse diminuída entre um e dois terços; mas deveria ser indagado aos jurados se ele era semi-imputável, não bastando o laudo.
          Levado a julgamento, foi exibido aos jurados o botijão de gás, ainda com substância hemácia; o martelo paraguaio semelhante ao utilizado. Os jurados ficaram tão impressionados que o condenaram por unanimidade e também por esta contagem não reconheceram a semi-imputabilidade, o que impediu que a pena fosse diminuída.
          O juiz aplicou-lhe a pena de 25 anos de reclusão[3], a mais alta já registrada num caso de júri por uma morte na comarca de Campinas. A defesa interpôs um recurso chamado protesto por novo júri (abolido por uma reforma processual-penal de 2008), e, levado a novo julgamento, foi outra vez condenado, porém, a pena foi aplicada em grau menor: 18 anos.



[1] . Em todo coletivo há - ou havia - um martelo de madeira ou plástico para que o motorista examine os pneus; no martelo paraguaio, o cabo é extrátil, tornando-se um pontiagudo estilete.
[2] . Artigo 26, parágrafo único, do Código Penal.
[3] . A pena para o homicídio qualificado – foi essa a acusação – é de 12 a 30 anos de reclusão.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto