Pular para o conteúdo principal

O gordinho e a manicure


 
      Tudo estava correndo às mil maravilhas: teriam (mais?) um encontro romântico-sexual num motel. O local não era lá essas coisas, porém foi o que de melhor conseguiram: afinal tratava-se de um encontro às escondidas, fruto de uma traição, mas o importante é que eles teriam uma tarde de prazer. As paredes externas do motel são emboloradas. Pode? Algo os ligava além da atração: eram (quase) parentes. O parceiro na aventura tinha um pequeno sobrepeso: um gordinho...
      O casamento dela não estava em crise, como alguém mal informado pudesse pensar, não: as fotos postadas nas redes sociais mostravam o oposto. Uma delas mostrava a mulher, ela, de biquíni, grávida, com o esposo ao lado na clássica pose: passando a mão sobre o barrigão, sentindo “os chutes” do feto?
      Para que ninguém pudesse desconfiar de algo, a mulher, que era gerente de uma agência de um banco internacional, atuando em todos os países, postou no WhatsApp que estava indo à manicure (“indo fazer as unhas”, foi a frase que ela escreveu; ninguém “faz as unhas”, pois elas já nasceram feitas...). Antigamente, reza a lenda, a mulher, quando ia trair, dizia que ia ao dentista e isso se tornou um mote para certas brincadeiras: “ela foi ao dentista”.
      Ela postou a mentira pensando estar a salvo, mas era um ledo engano: alguém havia avisado ao marido (ah! O marido é o último saber...) que prontamente convocou um amigo que, munido de uma câmera, certamente de um celular, acompanhou-o ao “ninho sexual”. Ali, entraram num corredor (a título de garagem, e garagem de gaveta) e surpreenderam o casal quando se preparava para, dentro do carro do gordinho, deixar o local. As cenas que se seguiram alternavam-se entre o inacreditável e o violento.
      O marido, enfurecido, desceu do carro e se aproximou daquele em que estavam os adúlteros, impedindo o homem de descer. Uma pergunta do marido:
      - O que vocês vieram fazer num motel?
      - Conversar...
      A partir daí, aconteceram cenas de selvageria, com o marido destruindo todos os vidros – com insulfilm, claro para dar, nesse caso, mais privacidade - do carro em que o casal estava homiziado. Enquanto praticava a destruição, exclamou, em tom de desapontamento:
      - Nós íamos passar o Natal juntos....
      E continuou a destruição: esta foi tanta que o carro precisou sair num reboque.
      Depois disso, o marido traído postou o vídeo nas redes sociais, mais precisamente o Youtube, que viralizou, tendo milhares de acessos e provocando várias piadas e montagens e memes, causando um enorme estrago (não maior, porém, do que aquele produzido por seu ato) ao casal, e hoje já se diz que ele, o marido, está arrependido das postagens e da dimensão que o caso alcançou e já fala em suicídio – talvez não por ter sido traído. O amigo traidor foi perdoado pela esposa e o casal planeja uma viagem ao EUA (certamente, Miami; talvez Orlando, onde poderá ir á Disneyworld).
      Detalhes: 1°) o amigo traidor é casado com a irmã da traidora, ou seja, seu cunhado (quanta gente fala mal de cunhado...); 2°) é um gordinho e surge uma pergunta: de que adianta ter barriga de tanquinho se aparece um gordinho e... crau!
Link da música "Quem for corno levante o braço": https://youtu.be/-m36I5GFO8c

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O STF e a descriminalização do aborto

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …