Pular para o conteúdo principal

O gordinho e a manicure


 
      Tudo estava correndo às mil maravilhas: teriam (mais?) um encontro romântico-sexual num motel. O local não era lá essas coisas, porém foi o que de melhor conseguiram: afinal tratava-se de um encontro às escondidas, fruto de uma traição, mas o importante é que eles teriam uma tarde de prazer. As paredes externas do motel são emboloradas. Pode? Algo os ligava além da atração: eram (quase) parentes. O parceiro na aventura tinha um pequeno sobrepeso: um gordinho...
      O casamento dela não estava em crise, como alguém mal informado pudesse pensar, não: as fotos postadas nas redes sociais mostravam o oposto. Uma delas mostrava a mulher, ela, de biquíni, grávida, com o esposo ao lado na clássica pose: passando a mão sobre o barrigão, sentindo “os chutes” do feto?
      Para que ninguém pudesse desconfiar de algo, a mulher, que era gerente de uma agência de um banco internacional, atuando em todos os países, postou no WhatsApp que estava indo à manicure (“indo fazer as unhas”, foi a frase que ela escreveu; ninguém “faz as unhas”, pois elas já nasceram feitas...). Antigamente, reza a lenda, a mulher, quando ia trair, dizia que ia ao dentista e isso se tornou um mote para certas brincadeiras: “ela foi ao dentista”.
      Ela postou a mentira pensando estar a salvo, mas era um ledo engano: alguém havia avisado ao marido (ah! O marido é o último saber...) que prontamente convocou um amigo que, munido de uma câmera, certamente de um celular, acompanhou-o ao “ninho sexual”. Ali, entraram num corredor (a título de garagem, e garagem de gaveta) e surpreenderam o casal quando se preparava para, dentro do carro do gordinho, deixar o local. As cenas que se seguiram alternavam-se entre o inacreditável e o violento.
      O marido, enfurecido, desceu do carro e se aproximou daquele em que estavam os adúlteros, impedindo o homem de descer. Uma pergunta do marido:
      - O que vocês vieram fazer num motel?
      - Conversar...
      A partir daí, aconteceram cenas de selvageria, com o marido destruindo todos os vidros – com insulfilm, claro para dar, nesse caso, mais privacidade - do carro em que o casal estava homiziado. Enquanto praticava a destruição, exclamou, em tom de desapontamento:
      - Nós íamos passar o Natal juntos....
      E continuou a destruição: esta foi tanta que o carro precisou sair num reboque.
      Depois disso, o marido traído postou o vídeo nas redes sociais, mais precisamente o Youtube, que viralizou, tendo milhares de acessos e provocando várias piadas e montagens e memes, causando um enorme estrago (não maior, porém, do que aquele produzido por seu ato) ao casal, e hoje já se diz que ele, o marido, está arrependido das postagens e da dimensão que o caso alcançou e já fala em suicídio – talvez não por ter sido traído. O amigo traidor foi perdoado pela esposa e o casal planeja uma viagem ao EUA (certamente, Miami; talvez Orlando, onde poderá ir á Disneyworld).
      Detalhes: 1°) o amigo traidor é casado com a irmã da traidora, ou seja, seu cunhado (quanta gente fala mal de cunhado...); 2°) é um gordinho e surge uma pergunta: de que adianta ter barriga de tanquinho se aparece um gordinho e... crau!
Link da música "Quem for corno levante o braço": https://youtu.be/-m36I5GFO8c

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …