Pular para o conteúdo principal

Uma noite (de terror) em Paris - II



      Muitas pessoas perguntam se foi muito assustadora a noite de 13 de novembro de 2015 quando estávamos em Paris; outras, diferentemente, já vão perguntando sobre o tamanho do susto que tomamos quando ocorreram os ataques. Ou dizem logo: "que susto, hein"?
      Na realidade, não foi muito assustador, pelo menos para mim; minha mulher, assustou-se bastante. Por alguns motivos, não tive medo. Um deles é que, quando tomamos conhecimento dos ataques, eles já haviam acontecido e quando aconteceram estávamos no meio de um jantar num restaurante ao lado da Catedral de Notre Dame, saboreando a autêntica cozinha francesa. Embora eles tivessem terminado, sobra sempre um receio, pois esses ataques covardes são imprevisíveis: bombas de tempo colocadas em carros estacionados na via pública, outras tantas colocadas em lixeiras, como, aliás, já aconteceu.
      Em segundo lugar, o barulho das sirenes – de carros policiais, dos bombeiros, resgate – que cortavam a cidade perduraram por toda a madrugada, até por volta de cinco horas, quando, então, temporariamente cessaram. Se elas eram ouvidas, era porque as autoridades estavam atuando. A prefeitura aconselhou que as pessoas não saíssem de casa no sábado; algumas estações do metrô (local às vezes preferido pelos terroristas) não abriram, dificultando a locomoção. Umas lojas não abriram as portas: ao lado do hotel havia uma “boulangerie” com todas aquelas delícias parisienses que permaneceu fechada, assim como alguns cafés ao redor do hotel. Além disso, foram fechadas as fronteiras e temíamos que os voos fossem adiados (o nosso sairia no sábado, 14/11, 21 horas). Mais um complicador: poucos táxis circulavam. Como iríamos ao aeroporto? , era a pergunta que nos assediava. Esse era o meu temor.
      Porém, tudo correu bem e o voo atrasou-se em apenas 10 minutos.
      A razão decisiva que me levou a não ter medo foi ter enfrentado uma situação algo assemelhada àquela, na qual, todavia, eu estava diretamente envolvido. Ela ocorreu quando eu prestava o serviço militar, no ano de 1968. Eu compria esse tempo no 1° BCCL – 1° Batalhão de Carros de Combate Leves. Nesse ano, o grupo terrorista VAR-Palmares (de que fazia parte Dilma Rousseff – e ela se orgulha disso...) lançou uma caminhonete carregada de explosivos contra o quartel do II Exército, no Ibirapuera, matando um sentinela, o soldado Mario Kozel Filho: tínhamos a mesma idade. Sob esse aspecto, pode-se afirmar que o Brasil foi pioneiro, graças ao grupo da Dilma, na construção – e explosão – de carros-bomba, antecedendo os fanáticos religiosos do oriente médio. Eu era motorista de carro de combate (a guarnição compunha-se do motorista, auxiliar, atirador e chefe de grupo).
      Naquela noite, com uns amigos, eu tinha ido a uma festa junina e chegara de madrugada em casa. Mal tinha “pregado os olhos”, dormindo algumas poucas horas, meu pai me despertou pois um grupo do Exército fora me buscar. Mal acreditando no que ouvi, abri a janela e um dos soldados, que eu conhecia, disse que havia “estourado” uma prontidão e eu deveria ir ao quartel; aliás, eles estavam ali para isso (estavam indo de casa em casa buscando os soldados). Foi dito a mim que me fardasse e apanhasse uma muda de roupa, pois iríamos viajar. Mal desperto, fiz o que me foi determinado e embarquei naquele caminhão militar em direção ao quartel.
(Continua na parte III)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O cunhado de Ana Hickmann e o excesso na legítima defesa

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …