Pular para o conteúdo principal

Ainda o estupro

Ainda o estupro

Ontem eu fiz algumas (poucas) observações sobre as modificações introduzidas no Código Penal pela lei 12.015, de 2009. A que eu apontei ontem foi aquela que criou a figura do "estupro de vulnerável". Essas três figuras nada mais eram do que as presunções de violência. Estas presunções - havia unanimidade na doutrina a partir da opinião do presidente da comissão, ministro Nélson Hungria, que preparou o projeto do CP de 1940 -  eram "relativas", em jargão antigo, ""juris tantum". Nesse mesno sentido incontáveis vezes o STF se manifestou. Com a reforma, elas deixaram de ser algo circunstancial aplicável a um tipo penal e passaram a ser o próprio tipo penal.
Outra modificação diz respeito à ação penal: antes da reforma de 2009, o estupro era um tipo penal peerseguível por ação penal privada (regra), ação penal pública condicionada e ação penal pública incondicionada (exceções). A partir da reforma, passou a ser de ação penal pública condicionada (regra) e de ação penal pública incondicionada (exceção). E o estupro de vulnerável tem como ação penal a pública incondicionada, ou seja, o Estado pode iniciar a ação penal independente da vontade da vítima, o que tem a muitos parecido um absurdo.O motivo é simples: tem o Estado o direito ou, se preferirem, o dever, de amordaçar a vítima, impedindo-a de manfestar a sua contade quanto à punição do sujeito ativo de um crime que lhe deixa sequelas psicológicas profundas, além de afetar a sua intimidade?
Daria para escrever um tratado apenas sobre este assunto.
O que é lamentável, porém, é que este assunto esteja ocupando grande espaço na mídia porque teria ocorrido num programa de televisão que é um lixo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …