Pular para o conteúdo principal

Cidade sem lei

Cidade sem lei

Campinas há muitos anos é uma cidade sem lei, especialmente quando se tem em mente a aplicação das normas - em sentido mais amplo possível - municipais.
Fazia muito tempo que Campinas não tinha um prefeito que fizesse algo pela cidade, por mais ínfimo que fosse: conservar as praças, por exemplo. Até que veio o governo do "primeiro os que mais precisam" que fez o mínimo, tirando do papel certas construções, como, por exemplo, a rodoviária (a construção de uma nova rodoviária esperou décadas); fez outras pequenas obras como as estações de transferência de passageiros, a ciclovia, tudo que demanda pouco gasto de dinheiro. Fez, repetindo, o mínimo.
Porém, quanto ao mais, nada é feito. Tomo como exemplo a buraqueira que tomou conta da cidade. Este fato é apontado nas redes sociais atualmente, com fotos ilustrando esse estado de abandono; a mídia também aponta isso e nada é providenciado pela prefeitura.
Há outro fato que demonstra descaso com a cidade: as placas de propaganda imobiliárias que tomam conta nos fins de semana. Este fato merecerá uma abordagem especial, que será feita oportunamente.
A propósito: o jornal "Metro Campinas" traz como matéria de capa o desrespeito às vagas especiais nas cidade. 
Silvio Artur Dias da Siilva

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O cunhado de Ana Hickmann e o excesso na legítima defesa

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …