Pular para o conteúdo principal

BO

Hoje, domingo, 15/1/12, a FSP, caderno ILUSTRÍSSIMA, traz uma matéria interessante plublicada originariamente no "The Guardian", sobre uma política adotada no Texas, USA, em matéria de educação: crianças e adolescentes sendo tratados como criminosos.
Duas passagens pareceram interessantes: em primeiro lugar, pais que não dão aos filhos a educação mínima, sim, aquela para saber portar-se em sociedade, talvez - o artigo não sugere isso, nem dá a entender - esperando que os professores façam isso. Em segundo  lugar, que existem professores - e isto é facilmente verificável - que não têm a menor vontade de exigir disciplina em sala de aula. Estas conclusões talvez possam ser extraídas depois da leitura da (longa) matéria, mas - ainda talvez - as conclusões possam ser injustas. É certo que nos dias atuais os pais já não são mais "os primeiros professores", como se dizia - e era - antigamente: muitos preferem deixar a cargo dos mestres essa árdua tarefa de educar (não apenas de transmitir conhecimentos). De outra parte, em certas situações, talvez seja preferível mesmo ao professor lançar mão do auxílio da autoridade, pois se ele tomar medidas disciplinares severas, talvez ele se torne o apontado no BO.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto